Jardins da Atlântida

Onze mil e seiscentos anos, atrás existia uma ilha verdejante, no Oceano Atlântico, situada bem próxima do Estreito de Gibraltar.
Lá, onde era extraído o oricalco, um metal que brilhava como o fogo e mais valioso que o ouro, existiam jardins belíssimos, na planície urbana entre as altas montanhas. O filósofo Critias, tio do também filósofo Platão, contava que as florestas possuíam essências numerosas, graças ao clima suave e a presença de rios e de lagos. O lugar era magnífico pelas paisagens extraordinárias, possibilitando que gigantescas e frondosas árvores fornecessem sombra a um povo extremamente evoluído, se comparado aos habitantes da primitiva Jericó, em pleno período Neolítico. Falamos de uma cultura, inclusive anterior a mesopotâmica e a que surge no sul da Anatólia. Os atlantes construíram palácios e templos folhados a ouro e decorados com marfim e prata. Seus artistas e sábios desfrutaram de uma cidade com uma infra-estrutura invejável, com estradas e pontes soberbas e estádios e ginásios confortáveis. Seu traçado era circular, com o templo de Poseidon no centro, rodeado pelo bosque sagrado que, graças à fertilidade do solo, permitia o cultivo de plantas insólitas e absolutamente infrequentes em qualquer outro lugar do planeta.
Eram vegetarianos, por esse motivo cultivavam vegetais, grãos e árvores frutíferas, que lhes forneciam alimentos nutritivos de toda espécie. Não apenas limões, romãs e oliveiras, como registram os historiadores antigos, mas também, muitas outras que desapareceram depois de sofrerem guerras, erupções vulcânicas e movimentos tectônicos que, acompanhados por violentos tremores de terra, em uma única noite, afundaram essa ilha para sempre. Apenas restaram os picos das altas montanhas que originaram as Ilhas dos Açores.
Madame Blavatsky (1831 – 1891) na sua Doutrina Secreta (título original: The Secret Doctrine, The Synthesis of science, Religion and Philosophy) faz um relato minucioso deste povo lendário e o almirante otomano Piri Reis inclui a ilha em seu Livro da Marinha, escrito em 1513.
Alguns habitantes, por estarem viajando, se salvaram e fugiram possivelmente para o Egito. Lá, colocaram em prática seus conhecimentos de engenharia, edificando pirâmides, canalizando o rio Nilo e construindo jardins faraônicos.
Bibliografia
FURTADO-BRUM, Ângela. Açores, Lendas e Outras Histórias (2a. ed).. Ponta Delgada: Ribeiro & Caravana Editores, 1999. ISBN 972-97803-3-1 p. 19.Link
Anúncios

JARDIM NO TRILHO DE TREM

Descubra a linha de Paris que caiu no esquecimento e foi tomada por lindas plantas

 (Foto: Reprodução)A linha de trem La Petite Ceinture foi abandonada e tomada por plantas (Foto: Reprodução)
Torre EiffelMuseu do LouvreChamps-Élisées… São tantos os monumentos mundialmente famosos da capital da França que é difícil acreditar que uma linha de trem abandonada corte a Cidade Luz, despercebida pelos turistas. Chamada de La Petite Ceinture, ela deixou de funcionar em 1934 e, desde então, foi tomada pela vegetação e se transformou em um espaço cheio de cores, seja pelas obras de grafite que decoram seus muros ou por cerca de 200 espécies de plantas que vivem lá.
Passear pela La Petite Ceinture é um jeito totalmente diferente de ver Paris – apesar do acesso ser oficialmente proibido. Tranquila e vazia, ela não lembra em nada as 14 linhas de metrô que cortam a cidade atualmente. Como é aberta, é possível observar o fundo de casas que nunca seria possível ver da rua. Alguns dos túneis também são conhecidos por ter acesso às Catacumbas de Paris, ossuário subterrâneo que é atração turística. As fotos são do blog Messy Nessy Chic.Construída em 1862, era uma linha circular – por isso o nome cinto – que passava em volta da cidade e conectava várias grandes estações de trem. Nos anos 1930, com o sucesso do metrô, ela deixou de ser necessária. Muitas das estações também foram abandonadas. A Gare de Charonne, por exemplo, virou uma casa de shows de rock’n’roll, o La Flèche d’Or.
 (Foto: Reprodução)Um dos túneis, com o jardim ao fundo (Foto: Reprodução)
 (Foto: Reprodução)Repare como a vegetação tomou a linha de trem pela cidade de Paris (Foto: Reprodução)
 (Foto: Reprodução)Os trilhos ganharam grafites (Foto: Reprodução)
Link

JARDINS AO REDOR DO MUNDO


O quadrado verde no centro de Manhattan é a melhor atração gratuita no município.

Central Park foi projetado para trazer uma fatia do país certo para o meio da cidade de Nova York. Este efeito é construído nas paisagens do Parque, em matas cuidadosamente projetados que bloqueiam a paisagem sonora urbana, com riachos escorrendo, caminhos que serpenteiam através de clareiras e colinas, e afloramentos rochosos expostos em pontos aparentemente aleatórios. A sensação de estar no país é reforçada por estruturas de madeira rústica que pode ser visto em torno do Parque.
Outras informações: contact@centralparknyc.org
                                                          
Claude Monet viveu 1883-1926, 43 anos, em sua casa em Giverny. Apaixonado pela jardinagem, bem como pela cor, ele desenhou seu jardim de flores e do jardim da água como verdadeiras obras. Passeava no jardim e na casa, os visitantes ainda sentir a atmosfera do mestre do impressionismo, e maravilhe-se com as composições de flores e lírios de água na frente, que eram as suas fontes de inspiração mais frutífera.




  
Mais informações:contact@fondation-monet.fr

                       Fukuoka Prefectural International Hall

        

ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates

© Hiromi Watanabe

Imagens do projeto

  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates
  • ACROS Fukuoka Prefectural Salão Internacional por Emilio Ambasz & Associates

Declaração designer

O projeto para Acros “Crossroads asiáticos Sobre o Mar” Fukuoka propõe uma solução nova e poderosa para um problema comum urbano: conciliar o desejo de um desenvolvedor para uso rentável de um site com a necessidade do público para o espaço verde aberto. O plano para Fukuoka atenda tanto as necessidades de uma estrutura através da criação de um modelo agro-urbana inovadora.
Detalhes / Créditos
  • Cliente: Dai-ichi Mutual Life Insurance Co.
  • Localização: Fukuoka, Japão
  • Projeto Conceitual: Emilio Ambasz
  • Empresa: Emilio Ambasz & Associates
  • Arquiteto Associado: Nihon Sekkei
  • Design de Interiores: Emilio Ambasz
  • Empresa de construção: Takenaka Corporation
  • Engenheiros: Takenaka Corporation
  • Arquitecto Paisagista: Takenaka Corporation
  • Ilustrações: Suns Hung
  • Custo do Trabalho: 380 milhões dólares
  • Data de Conclusão: Built 1994
  • Área Bruta Total: 100.000 m2
  • Fotógrafo: Hiromi Watanabe

   
Mais informações: http://www.acros.or.jp

ISOLABELLA PIEMONTE

ITÁLIA

                                  
Em 1632, o Conde Vitaliano Borromeo começou a construção do palácio barroco monumental e os majestosos jardins e paisagístico, que fizeram a famosa ilha e que a este dão testemunho dias até o esplendor de uma era. 
A casa da família Borromeo oferece aos visitantes uma elegante e decoração sumptuosa e contém obras de arte, tais como tapeçarias, móveis, estátuas, pinturas e estuques. Ele também tem uma incomum mosaico gruta, um lugar fresco e delicioso. 



  
  
Este esplêndido e magnífico jardim barroco italiano é um dos exemplos mais famosos e mais bem preservado na Itália.O jardim é colocado para fora mais de dez terraços que descem gradualmente, e é adornada com bacias, fontes, perspectivas arquitetônicas, e uma infinidade de estátuas que datam da segunda metade do século XVII, que representam a personificação de rios, estações e ventos. 
Mais informações:www.borromeoturismo.it

                                   




                                                 

                       


Ficheiro:Alnwick Castle - Northumberland - 140804.jpg

A atual Duquesa de Northumberland, Lady Jane Percy, foi a responsável pelo  Alnwick Garden (“Jardim de Alnwick”), que é o projeto de jardim mais ambicioso criado no Reino Unido desde a Segunda Guerra Mundial, com um custo estimado de 42 milhões de libras esterlinas, segundo divulgou a imprensa em 7 de Agosto de 2003. O jardim, com uma fonte em forma de cascata, pertence a um fundo de caridade, para o qual o Duque e a Duquesa doaram 42 acres de terra (170,000 m²) e 9 milhões de libras. Depois dos Kew Gardens e da Sociedade Hortícola Real, é o terceiro jardim mais visitado sob taxas de entrada do Reino Unido, atraindo turistas e estudantes.

Ficheiro:Alnwick.garden.JPG
portico O jardim mortal
A primeira coisa que se nota ao chegar lá são os clássicos portões pretos de ferro fundido. Após os portões estão cerca de 100 espécies famosas por serem mortais, como a Atropa belladonna a Strychnos nux-vomica(estricnina), e Conium maculatum. Os guias são especialmente treinados para explicar as propriedades assassinas dessas plantas, e as variadas formas como os venenos atuam sobre o organismo do infeliz. Além de darem explicações cientificas e detalhadas, eles também passam um bom tempo fiscalizando os visitantes, para que não experimentem, comam ou cheirem as plantas. 
sad 0002 O jardim mortal
Mais informações: info@alnwickgarden.com