Viver com o verde faz bem

Ter em casa ou no trabalho um canto verde, grande ou pequeno, é uma forma de abrir o coração para uma vida mais saudável

É só ter um tempo livre para a família correr para o jardim. Eles observam tudo, tiram as folhas secas, os matinhos, podam alguma espécie, regam e se esmeram nos cuidados com o espaço. “Adoramos acompanhar o desenvolvimento das plantas. Todos os dias, assim que acordamos, vamos lá descobrir o que está acontecendo de novo. Ficamos tão felizes ao ver, por exemplo, os brotos das orquídeas, a florada da costela-de-adão. Em dezembro passado, assistimos ao nascer da flor do cacto mandacaru, que desabrocha à noite e morre ao amanhecer”. As palavras da publicitária Luana Caldeira revelam o grande amor que tem pelas plantas, sentimento compartilhado com o marido, o fotógrafo Daniel Mansur, e agora passado para a filha, Bianca, de oito anos. “Ela está sempre cheirando os vasos de ervas distribuídos pelos degraus e mastigando uma folhinha de hortelã”, conta Daniel.

Na casa onde moram, no bairro Santa Lúcia, em Belo Horizonte, o jardim, que fica no quintal, com cerca de 70m², pode ser contemplado da cozinha e do lavabo, de onde conseguem admirar os pássaros chegando. O espaço é formado por cactos, suculentas e um abundante canteiro de bambu – rente ao muro. A trepadeira unha-de-gato cobre uma das paredes, outra é agraciada com vasos suspensos de orquídeas, uma amoreira e um pé de jambo. “De tão aconchegante que é o nosso jardim, decidimos montar uma cozinha integrada a ele, com direito a fogão a lenha, muito usada nos fins de semana com os amigos e a família”, conta orgulhosa Luana.

Com seus lindos e abundantes cachos , a Helicônia, que aparece na primeira foto em companhia do beija flor, é uma das grandes estrelas do quintal da casa da família de Luana Caldeira
A designer de interiores Vanessa Borges mora a poucos passos da praia do Arpoador, no Rio de Janeiro. Rodeada pela natureza, quis trazê- la também para bem perto de si, em seu apartamento. “Desejava um cantinho delicioso, com inspiração italiana”, conta. Ela convidou o arquiteto paisagista Louis Marcelo Nunes para a empreitada, que decorou o jardim, no segundo andar do apartamento de cobertura, com diferentes espécies plantadas em vasos, como palmeira-bambu, vincas, suculentas, orquídeas, temperos, além de uma jabuticabeira. “É bem descontraído, como eu queria, não há nada simétrico.
Os vasos têm alturas diferentes, assim como há aromas, folhagens e cores”, diz. Voltado para seu quarto e para uma sala de TV, muito usada por seus três filhos adolescentes, é ali que Vanessa pratica aulas particulares de ioga, duas vezes por semana, bem cedo. “Começo às 7h30, quando a luz é suave. É o lugar perfeito para entrar em sintonia comigo mesma. Dispor desse espaço é um grande privilégio”, fala. À noite, o jardim se transforma e vira ponto de encontro da família. “É quando meu marido e eu nos sentamos para conversar, tomar um aperitivo, saber como foi o dia dos nossos filhos. Esse lugar faz um grande bem a todos nós.” As espécies plantadas exigem pouca manutenção e são adaptadas para ficar ao tempo. Somente os vasos com as ervas têm uma maior rotatividade, já que a família utiliza os temperos nos alimentos que consome.
Coração da casa, este recanto é um convite à meditação e aos encontros da família de Vanessa Borges
Na década de 90, a então educadora paulistana Creusa Muller tornou-se orquidófila, o hobby de quem adora cuidar de orquídeas. A paixão se tornou tamanha que ela abandonou a profissão, fez diversos cursos de paisagismo e abriu o Orquidário da Mata, em São Paulo. “Entre a minha casa e a loja eu tenho mais de quatro mil orquídeas”, conta. Mas, além delas, Creusa ama as plantas de uma forma geral. Na sua morada, onde vive com o marido e os dois filhos adolescentes, criou um jardim que a envolve totalmente e que está em constante transformação, de forma que seja florido e perfumado o ano todo.

“Na frente, por exemplo, tenho camarões, planta vermelha que floresce o ano todo. No fundo, sapatinho- de-judia, trepadeira de tons amarelo e vermelho. Borboletas e pássaros são atraídos por rosas, lírios-da- paz, arbustos como os de magnólia. E eu posso admirar isso tudo de dentro da casa, pois ela tem poucas paredes, grandes janelas e muito vidro.” Para cobrir os muros altos que fazem divisa com os vizinhos, plantou trepadeiras. “O jardim se tornou parte da minha vida. Eu não sou apegada às coisas materiais, mas ao meu jardim eu sou.” Para Creusa, todas as plantas têm umaenergia de cura. “Sempre digo que todos deveriam ter em casa lírios-da-paz, plantas purificadoras, orquídeas, que transmutam, e rosas, que desenvolvem o amor profundo, divino e a esperança.” E completa: “Cuidando delas, desenvolvi a paciência, a dedicação e até mesmo o meu amor”.

O amor dedicado às plantas mudou a forma de ser e viver de Creusa Muller
Para proporcionar aos pacientes da clínica odontológica de seu marido a mesma paz e alegria que sente com o jardim em casa, a psicóloga Lucy Teixeira não pensou duas vezes. “Fiz áreas verdes e coloquei plantas em quase toda a parte externa e interna”, explica ela, que herdou dos pais o afeto pelas plantas e flores sempre presentes no sítio da família. Lucy começou a investir no paisagismo pelo espaço integrado à sala de espera. “Criei um canteiro simples formado por pedriscos brancos, bambu-mossô e um cachepô com orquídeas, folhagens e musgos. Todos vão lá admirá-lo”. Uma cúpula de vidro sobre o local garante a incidência ideal de luz natural e atrai os olhares para cima, ainda mais depois que a trepadeira hera, plantada do lado de fora, invadiu o interior, formando um bonito desenho”.

Além disso, todas as salas clínicas, onde os pacientes são atendidos, estão voltadas para um jardim, no fundo do consultório, com árvores plantadas propositalmente em frente de cada janela. “Na hora do atendimento, eles podem relaxar olhando para aquele espaço. Essa foi a forma que encontramos de lhes dar um presente”, diz Lucy, membro do Garden Club, em São Paulo, que estimula seus participantes a praticarjardinagem. Já para contemplar o verde também de sua sala, ela instalou, na lateral da casa onde a clínica atende em São Paulo, um jardim vertical com vasos de orquídeas e samambaias. Até nas árvores da rua pôs orquídeas. “Os vizinhos adoraram a ideia e fizeram o mesmo nas árvores na frente da casa deles.” Link

Plantas e jardins no consultório odontológico de Lucy Teixeira garantem relaxamento aos pacientes

Mais LIMPO e mais VERDE

07_Personal_Fresh_Air-Julio_Radesca
Dentro de um edifício enorme, nos arredores de uma dascidades mais poluídas do mundo , o ar está limpo – tudo graças a três fábricas e um homem.
Personal_Fresh_Air-Julio_Radesca
Kamal Meattle é um pesquisador indiano cuja capacidade pulmonar tornou-se severamente prejudicada devido à poluição, em Nova Delhi. Conduzido para encontrar uma solução, ele descobriu que, colocando certas plantas em locais específicos dentro de casa, um edifício pode realmente crescer ar fresco. Meattle deu uma palestra TED sobre o fenômeno em 2009.
Personal_Fresh_Air-agrupados
Uma vez contratado, o projeto de Délhi em Meattle reduziu significativamente irritação nos olhos, sintomas respiratórios, dores de cabeça e asma entre as pessoas que trabalham no prédio.
Kamal-Meattle
Além do mais, a ideia inspirou Julio Radesca, uma estudante de design industrial na Academia de Design de Eindhoven, na Holanda. No ano passado, Radesca criou o que alguns chamaram de “cubículos glorificados “empregando a mesma técnica de três plantas para o cultivo de ar fresco como Meattle fez em Nova Delhi. Apropriadamente, Radesca batizou seu projeto de ar fresco pessoal .
04_Personal_Fresh_Air-Julio_Radesca
How_Personal_Fresh_Air-Works-Julio_Radesca1
O conceito é, uma mesa minimalista, atraente, com um top de plantas cortadas. As três plantas utilizadas por ambos Meattle e Radesca são Areca Palm, que converte dióxido de carbono para Tongue oxigênio, mãe-de-lei, que faz o mesmo durante a noite, e planta de dinheiro, que remove formaldeído e substâncias químicas no ar semelhante voláteis.
pessoal-fresh-air-3-plantas
Enquanto as plantas crescem ar fresco, eles também oferecem privacidade para cada mesa, substituindo paredes cúbicos. E porque as mesas são hidroponia e solo-menos – eles apresentam perlita leve em vez – Tempos de rega e limpeza são drasticamente reduzidos. Eficiência, beleza e sustentabilidade? Esse é um conceito de trabalho que pode ficar para trás.Link

Destaques verdes

Poucos exemplares já fazem a diferença em ambientes internos

Na casa projetada pelo arquiteto Roberto Aracri, do Rio de Janeiro, RJ, as características da sala de jantar favorecem a presença de plantas, já que o pé-direito alto oferece boa ventilação e as janelas que contornam todo o ambiente proporcionam luminosidade abundante. Por isso, o resultado com a disposição de vasos com palmeiras e lírio-da-paz foi positivo

A arquiteta e designer de interiores Evelin Sayar, de Santo André, SP, integrou a estrutura de uma árvore ao projeto arquitetônico. Para isso, criou um jardim interno delimitado por pedras, cujo tronco da arbórea é a peça central e nele foram colocados alguns pendentes decorativos e um vaso com folhagem

A arquiteta e designer de interiores Evelin Sayar, de Santo André, SP, integrou a estrutura de uma árvore ao projeto arquitetônico. Para isso, criou um jardim interno delimitado por pedras, cujo tronco da arbórea é a peça central e nele foram colocados alguns pendentes decorativos e um vaso com folhagem
A paisagista Monica Castelo Branco, do escritório Botana Paisagismo, do Rio de Janeiro, RJ, aproveitou um cantinho do ambiente interno para projetar uma bela jardineira revestida de madeira e com borda de vidro, onde foram plantados exemplares de lança-de-são-jorge. O conjunto ganha destaque inclusive à noite, devido aos <i>spots</i> com iluminação direcionada

A paisagista Monica Castelo Branco, do escritório Botana Paisagismo, do Rio de Janeiro, RJ, aproveitou um cantinho do ambiente interno para projetar uma bela jardineira revestida de madeira e com borda de vidro, onde foram plantados exemplares de lança-de-são-jorge. O conjunto ganha destaque inclusive à noite, devido aos spots com iluminação direcionada
Para dar um toque especial e também levar um pouco de vida ao <i>home office</i> desta casa, apostou-se na singularidade da palmeira-rápis cultivada em um vaso decorado. Projeto da arquiteta Angela Martins, de São Paulo, SP

Para dar um toque especial e também levar um pouco de vida ao home office desta casa, apostou-se na singularidade da palmeira-rápis cultivada em um vaso decorado. Projeto da arquiteta Angela Martins, de São Paulo, SP
Esta varanda projetada pela designer de interiores Vivian Calissi, da capital paulista, ficou mais bonita com a disposição dos exemplares de ripsális em quadros de bambu fixados na parede

Esta varanda projetada pela designer de interiores Vivian Calissi, da capital paulista, ficou mais bonita com a disposição dos exemplares de ripsális em quadros de bambu fixados na parede
A vegetação agrega cor e aconchego aos ambientes internos de estilo <i>clean</i>. Por isso, o cantinho da sala da casa projetada pelo engenheiro civil Rogério Gomes, da capital fluminense, ganhou um grande exemplar de palmeira

A vegetação agrega cor e aconchego aos ambientes internos de estilo clean. Por isso, o cantinho da sala da casa projetada pelo engenheiro civil Rogério Gomes, da capital fluminense, ganhou um grande exemplar de palmeira
O grande pândano com sua forma escultural se integrou perfeitamente à sala de estilo despojado, destacando-se ainda mais com a iluminação direcionada. Projeto do arquiteto Alfredo Kobbaz, de Pindamonhangaba, SP

O grande pândano com sua forma escultural se integrou perfeitamente à sala de estilo despojado, destacando-se ainda mais com a iluminação direcionada. Projeto do arquiteto Alfredo Kobbaz, de Pindamonhangaba, SP

VERDE dá SORTE

Já que o ano está no final, e é nessa época que costumamos recorrer ainda mais aos poderes de amuletos ou qualquer outra coisa que esteja relacionada à boa sorte, saúde, prosperidade, etc., então vamos falar aqui de algumas plantas que, segundo a sabedoria popular, têm o poder de atrair energias positivas, espantar o mau-olhado e/ou harmonizar ambientes.
Superstição, crendice, mito, verdade. Independente da palavra que você atribui a isso e independente do poder que está atribuído à determinada planta, todo mundo sabe que cultivar um cantinho verde – mesmo que seja um único vaso com uma única flor – faz um bem danado a nós mesmos e ao meio ambiente. Portanto, veja a lista de ‘plantas-amuletos’ abaixo e escolha a sua. (Vai que elas são poderosas mesmo!)

verde-da-sorte1
Vaso de sete ervas
O combinado poderoso espanta qualquer energia ruim. Arruda, comigo-ninguém-pode, pimenta, alecrim, manjericão, espada-de-são-jorge, abre-caminho e guiné são as plantas que compõem o vaso.
Espada-de–São-Jorge (Sansevieria trifasciata)A planta é famosa por espantar mau-olhado e pode ser usada em áreas internas e externas. Sua versão em miniatura, a espadinha-de-são-jorge, é ideal para espaços menores.
Romã (Punica granatum)
A tradição diz que a árvore é responsável por atrair dinheiro. Não é à toa que uma das simpatias mais comuns na virada do ano é comer a fruta e guardar três caroços dela dentro da carteira.
Árvore da felicidade (Polyscias fruticosa e Polyscias guilfoylei)Catalisadora de energias positivas, a planta é mais indicada para ambientes externos, pois pode atingir até 3m de altura. Diz a tradição que ela deve ser recebida de presente.
Lança-de-ogum (Sansevieria cylindrica)
É da mesma espécie da espada-de-são-jorge e tem o mesmo poder de espantar mau olhado. Decora o ambiente com classe, por isso é mais usada em áreas internas.
Bandeira branca (Spathiphyllum wallisi)É responsável por trazer harmonia ao ambiente. Pode ficar em ambientes externos ou acomodada em vasos, mas sempre na sombra. Quando expostas ao sol, as folhas ficam muito queimadas.
Bambu da sorte (Dracena sanderiana)Conhecida popularmente como bambu da sorte ou lucky bamboo, a dracena sanderiana, ao contrário do que o nome sugere, não é um bambu e sim um membro da família das Liliáceas, originária das florestas tropicais da África e sudeste da Ásia.
Esta planta tem sido usada com freqüência nas práticas do Feng Shui. Segundo a tradição, é muito bom manter três hastes de bambu da sorte em casa, para atrair paz, saúde e prosperidade.
Pimenteira (Capsicum sp.)
O seu poder é repelir os maus fluidos. Conta-se que quando a energia do ambiente está ruim, a pimenteira fica completamente seca. Além de servir de amuleto, os tons amarelos e vermelhos da planta dão um colorido à decoração.
Trevo de quatro folhas (símbolo de sorte e prosperidade)Diz a lenda, que a raridade de um trevo de quatro folhas o transformou em um poderoso amuleto. Mas para que se tenha sorte, é preciso ganhá-lo de presente. Quando se ganha um trevo desse tipo, segundo a tradição, a pessoa recebe votos de prosperidade, saúde e fortuna. Existem muitas curiosidades a respeito desta planta e uma delas descreve que cada folha tem um significado: ESPERANÇA – FÉ – AMOR – SORTE.
Arruda (Ruta graveolens)Apesar de ter aplicação na medicina natural e até na preparação de bebidas, a arruda ficou famosa mesmo pelos seus “poderes” contra o mau-olhado e outras vibrações negativas. Não é fácil determinar quando surgiu a fama da arruda como erva protetora. O que se sabe é que em culturas muito antigas já são encontradas referências sobre seus poderes contra as “más vibrações” e seu uso na magia e religião.Link

Arquitetura VERDE

A chamada Arquitetura Sustentável não é um estilo arquitetônico em si, mas uma série de princípios que permeia o projeto e a execução dos edifícios.
Conforme um dos artigos anteriores do Arquitetura Verde, Arquitetura Sustentável é aquela que oferece um ambiente de boa qualidade ao usuário, com uso otimizado da energia e redução do impacto ambiental, devendo ser um sistema em equilíbrio, que produza poucos dejetos na sua construção e durante seu uso.

Prédios que são referência na construção sustentável

A Arquitetura Sustentável atualmente se apresenta em variadas linguagens, desde as mais simples às mais tecnológicas. Veremos alguns exemplos de prédios que são referência na construção sustentável.

Arquitetura Vernacular


Casa-folha, do Escritório Mareines+Patalano Arquitetura (mais / arquitetura vernacular )

Arquitetura Orgânica



Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, do arquiteto Renzo Piano ( mais )

Nautilus, do arquiteto Javier Senosiain ( mais )

Bioarquitetura


Instituto Baleia Jubarte, do Instituto Tibá ( mais )

Green School, construída na ilha de Bali, Indonésia ( mais )

Arquitetura Racionalista


Bedzed, do arquiteto Bill Dunster ( mais )

Arquitetura Crítica Tipológica


Centro da Cultura Judaica, do arquiteto Roberto Loeb ( mais )

Arquitetura High-tech

HSBC Hong Kong, do arquiteto Norman Foster ( mais )

Formas da luz


Berliner Bogen, do escritório BRT Arkitecten (mais )

Linguagem verde


Edificio Pergola, do arquiteto Bruno Stagno ( mais )

Edifício da Pioneer, do arquiteto Enrique Browne ( mais )

Inspirações

Como vimos, não há um padrão a ser seguido para uma arquitetura ser considerada sustentável: pode-se utilizar desde os materiais mais simples, como a terra existente no próprio terreno, até os mais modernos sistemas de automação.
O importante é aumentar a eficiência energética do edifício, usar materiais com certificação ambiental e, principalmente, atender os anseios dos usuários, proporcionando a eles mais qualidade de vida.(coletivo verde)