Produza alimentos, com o mínimo de esforço , em espaços urbanos apertados.

Milan projetista de Stefania Minnella criou “auto-sustentação vertical”, hidropônico sistema.
 Elica Idroponica  automatiza todas as tarefas que as pessoas ocupadas pode negligenciar: irrigação, iluminação e a dosagem de nutrientes.
Hidropônica vertical

hidropônica vertical-diagrama
Feito de alumínio e moldado PE, é modular, permitindo que o jardineiro adicione mais quando a planta crescer.
hidropônica vertical-com-pessoa
Link

Scarponi escolheu hidroponia , por seus benefícios práticos, e design ecológicos. 
ELIOOO4_WHITE plantada
Eliooo-verticall-jardim-stacked-2

Eliooo verticais-jardins-múltiplos
em branco-white-book
eliooo-hidropônico-wall-ikea

 “Eu dou idéias formam e transformá-las em coisas concretas”.
eliooo-mobile
Link

O jardim sensorial e suas principais características

por Arq. Prof. Ms. Beatriz Chimenthi

O jardim, desde a antiguidade, sempre foi um espaço de lazer e prazer mesclando um paradigma de sonho e realidade. Através deste espaço, era possível viajar no tempo, experimentar sensações diferentes, promover encontros e entrar em contato com a natureza em sua mais exuberante expressão. 

Segundo Michael Corajaud, o jardim é como fragmento de um sonho e deve ser compartilhado por todo e qualquer usuário, incluindo os portadores de algum tipo de deficiência — visual, auditiva ou física. Os idosos também têm direito, com sua natural perda de mobilidade e diminuição dos sentidos. 


Mas, infelizmente, grande parte dos jardins brasileiros, tanto residenciais quanto públicos, não atendem esta parcela da sociedade por conta da falta de adequação de seus espaços. Em sua maioria, os jardins não são adaptados aos portadores de deficiência e/ou idosos incluindo em seus espaços espécies inadequadas, sem falar de detalhes construtivos como rebaixos e desníveis que dificultam a circulação dos deficientes. 


A ideia de criar um jardim sensorial residencial, com condições bastante peculiares, surgiu exatamente para amenizar toda essa dificuldade, além de proporcionar para esta parcela da sociedade o contato com a natureza em suas próprias residências. O projeto do jardim pode ser adaptado para varandas e até mesmo para o interior das casas. 


O jardim sensorial deverá ficar suspenso a uma altura pré-determinada, considerando passagem tanto para cadeirantes quanto deficientes visuais e idosos. Este recurso garante o livre acesso a todos que queiram tocar ou cuidar das espécies com facilidade. 


O jardim sensorial possui grande influência oriental, manifestando-se através de quatro sentidos do corpo humano: 

• O tato, através das texturas das plantas, 

• A audição, com os repuxos d’água, 

• A visão, através das cores exuberantes e, finalmente 

• O olfato com os aromas das espécies. 


As espécies possuem diferentes texturas e através delas é possível garantir um resultado satisfatório, através do tato. Um bom exemplo disso é o caso das suculentas. Um pequeno jardim de cactos pode apresentar infinitas texturas e um resultado excelente principalmente considerando os deficientes visuais. 


As pequenas fontes e repuxos d’ água também são responsáveis por agradáveis sensações e podem ser inseridas em qualquer jardim através de um simples sistema de bombeamento de água semelhante ao utilizado em aquários. O som emitido pela água é calmante e terapêutico segundo especialistas holísticos. 


As cores exuberantes das flores e folhagens também garantem excelentes resultados no que se refere ao aspecto visual do jardim. Suas combinações podem considerar as mais infinitas gamas de cores. Petúnias, rabos de gato, violetas, lírios da paz, gerânios, ixoras e plumbagos estão entre as mais cotadas para pequenos vasos e jardineiras. O resultado policromático também pode variar conforme as estações do ano. 


E, finalmente, os jardins sensoriais olfativos -– comumente conhecidos como jardins aromáticos ou de ervas, de influência medieval — também podem ser utilizados. Nestes jardins é possível sentir o agradável aroma das ervas e temperos caseiros, além de servirem no preparo de receitas culinárias e temperos em geral. As espécies mais utilizadas são o alecrim, hortelã, manjericão, salsinha, cebolinha, gengibre, coentro, além de ervas que servem para ungüentos e chás, como camomila, erva doce e erva-cidreira, dentre outras. 


Segundo especialistas, as ervas aromáticas possuem efeitos terapêuticos, entram através das células sensíveis que cobrem as passagens nasais, chegando direto para o cérebro. Desta forma tais ervas afetam as emoções, atuando no sistema límbico que também controla as principais funções do corpo. 


Abaixo estão listadas algumas das mais importantes e conhecidas ervas terapêuticas e suas principais características: 


Alecrim (Rosmarinus officinalis) 

Alecrim

O nome tem origem linguista árabe, vem da palavra “al ikilil”. Erva proveniente da região mediterrânea, foi muito apreciada por suas virtudes aromáticas e medicinais. Conta uma lenda que a rainha da Hungria, Elizabeth, que viveu no século XIII, curou seu reumatismo e gota com água preparada por alecrim. 


Hortelã (Mentha avensis) 

Hortelã

Existem muitas variedades de hortelã, cada uma com suas características próprias. Diziam os antigos que conhecer todas as variedades seria era tão difícil quanto o saber poderia ser comprado em farmácias. Sua essência aromática tem efeito terapêutico digestivo e descongestionante. 


Manjericão (Ocimun minimum) 

Manjericão

Herbácea natural da Ásia tropical, da África e de algumas ilhas do Pacífico. Repele insetos em hortas e jardins. Muito utilizado na Medicina caseira em forma de chá por relaxar e aliviar dores de cabeça de origem nervosa. Também utilizado pelos terapeutas holísticos na aromaterapia, para tratar vários outros sintomas. 


Salsa (Petroselinum sativum) 

Salsa

É a erva mais utilizada na cozinha, pois guarnece saladas, peixes, legumes e muito mais. Todas as partes são aproveitadas, pois têm o mesmo aroma. Conta a mitologia que Hércules, o vencedor do leão da Numídia, foi coroado com folhas de salsa. Um ornamento modesto para tão grande herói, quando outros eram coroados com folhas de louro. A salsa tem poder aromático terapêutico para “cistite”, e é encontrada nos supermercados em buquês, normalmente junto com a cebolinha. 


E importante ressaltar que todas as espécies acima citadas são perfeitamente adaptáveis ao plantio em jardineiras, pequenos canteiros ou vasos. Na escolha de espécies para jardins sensoriais, é fundamental que sejam evitadas aquelas que possuem espinhos, como as roseiras, algumas bromélias e suculentas. Também devem ser evitadas algumas plantas munidas de substâncias tóxicas, como espinho de cristo e comigo-ninguém-pode, dentre outras.



Algumas plantas sensoriais e de tempero

Fonte: Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Plantas de tempero Alecrim (Rosemarinus officinalis L.)

Cebolinha (Allium sativum L., Allium cepa)

Hortelã (Mentha piperita)

Mangericão-de-jardim (Ocium basilicum)

Menta (Mentha sp.)

Orégano (Origanum vulgare)

Plantas medicinais Basilicão (Ocimum basilicum var. basilicum)

Boldo-de-arvorezinha (Coleus sp.)

Cavalinha (Equisetum hyemale L.)

Chambá (Justicia pectoralis Jacq.)

Falso-boldo (Coleus ambonicus)

Gengibre (Zingiber officinalis L.)

Gerânio-medicinal (Pelargonium odorantissimum)

Guaco (Mikania glomerata Spreng.)

Maranta (Maranta arundinaceae L.)

Patchuli (Pogostemum heyneanus Benth.)

Plantas de perfume Bogarí (Jasminum sambac)

Cravo (Dianthus cariophyllus)

Jasmim-estrela (Trachelospermum jasminoides Lindl.)

Madressilva (Lonicera hildebrantiana)

Mini-gardênia (Gardenia radicans florepleno)

Plantas de texturas variadas Calancoe (Kalanchoe laxiflora, Kalanchoe orgyalis)

Espada-de-são-jorge (Sansevieria zeylanica laurentii)

Espadinha-anã (Sansevieria hahnii)

Gasteria / língua-de-boi (Gasteria verrucosa)

Jacaré (Kalanchoe gastonis-bonnieri)

Lança-de-são-jorge (Sansevieria cylindrica)

Roel (Rhoeo spathacea (discolor) )

Plantas aquáticas Agua-pé ou jacinto-d’água (Eichornia crassipes)

Flores-vermelhas (Ludwigia sedioides)

Ninféa ou nenufar (Nymphae sp.)

Pinheirinho-d’água (Miriophyllum brasiliense)

Santa-luzia ou alface-d’água (Pistia stratiotes)

Dicas de Cultivo de SUCULENTAS

1. Sobre Perlite, quando fui perguntada sobre um substituto no Brasil.
Minha resposta:
ela pode ser um substituto da areia, ideal para crescimento de raizes, abosorve e segura ar e umidade e melhora a drenagem…O perlite é uma rocha vulcanica e uma vantagem é ser mais leve. Não sei o nome aí no Brasil, mas peça por Perlite mesmo ou rocha vulcanica, são umas pedrinhas, parece cal, super fininho e super leve…
Tiko Santos Jr respondeu – areia grossa de rio (não serve areia da praia, pois essa contém sal), que pode ser encontrada em lojas de material de construção, a preços módicos;
– turfa (uma espécie de substrato vegetal, muito utilizada em bonsais);
– terra vegetal (um composto orgânico à base de cascas de plantas, principalmente palha de côco), bastante utilizada como substrato para samambaias.
Há quem utilize também Vermiculita, outro mineral utilizado em bonsais para “aerar” o solo, e que auxilia inclusive na manutenção de uma temperatura aceitável para plantas expostas diretamente à luz solar (como os cactos, por exemplo). Particularmente, não uso Vermiculita, pois pode ser tóxica, existem relatos de que a exposição ao amianto e basalto sejam prejudiciais ao longo do tempo.
Se quiser ler mais sobre a perlita, clica aqui.
2. Dica da Josi Cardoso – Para manter as Suculenats saudáveis
Josi Cardoso, aquela de São José, Santa Catarina, que tem a coleção de suculentas mais lindas que eu já vi, elogiada por todos, sem exceção, disse que usa Captan, encontrada nas agropecuárias e uso fertilizante da forth 4-14-8. uma vez a cada 15 dias.
3. Pergunta de Andreia Nascimento – Fanpage
Sou de SP..aqui chove um monte… as minhas suculentinhas além de frio estão encharcadas…o que faço??!!
Retirar elas da chuva, coloca num lugar onde tu possa cobri- las, é o que faço com as minhas, além de ter o solo bem drenado, sem pratinho em baixo do vaso. Sabe o que eu fazia também, era cortar aquelas garrafas de 5 ou 7 litros de água, então ficava igual aqueles protetores de bolo, sabe? na hora que começar a chover é só colocar nos vasos…funcionava bem. Se elas continuarem encharcadas, provavelmente vão apodrecer.

Outra ideia é da Jill Ingram Coleman,  veja foto é genial…pode proteger da chuva e sol, sem esconder a planta..o que acharam? compartilhem se gostarem..Ah esqueci de dizer são pratos de plastico…mas vc pode usar o que achar razoável.

 Quer saber mais sobre regas, clica aqui.
4. Pergunta sobre o melhor substrato.
Eu costumo usar o Substrato próprio para cactos e ainda colocava um pouco de areia 2 para 1 (areia de construção) para baratear rs…
Areia de praia não é recomendada, nunca usei, mas tem uma leitora aqui no blog a Rute que usa e não tem problemas e sobre isso eu estava pensando…Muitas suculentas tem seu habitat natural na praia, regiões oceânicas..e agora?? rsrs
Outro leitor aqui do blog (Dasts) sugeriu utilizar areia de filtro de piscinas, que evita a compactação e tem ph neutro e tem procedência confiável, enquanto que a arei de material de construção pode ter alguma mistura, aí envolveria um processo de esterilização e peneira.
5. Dica de Cecilia Peres – Chá de Casca de Banana – Grupo Troca de Plantas Portugal – Facebook
É rico em PK ajuda as plantas á sua floração, eu uso nas Orquídeas.
Ferver 5 cascas de banana em 1,5 litros de água. Deixe arrefecer e cada 0,5 l. mistura num litro de água e rega as plantas cada 15 dias. O N faz as folhas das plantas demasiado grandes.
6. Dica de Cecilia Peres –  Facebook As Minhas Plantas –
Por muito que goste de uma flor ou planta, nunca compre uma planta doente, ela contagiará as outras.
Verifique as folhas e os raminhos e certifique-se que não tem praga nem estão doentes, o gosto pela planta pode não compensar se pegar a doença ou praga a outras.Recuse plantas cujas raízes saem pelos furos de drenagem e muitas raízes no topo do vaso.
Ao escolher uma planta escolha aquela que tiver mais brotos por abrir.
Logo que possa troca a terra, pois se estiver envasada em turfa, rapidamente irá perder-se, pois a turfa seca em volta do tronco e será difícil a rega, a turfa não tem qualquer alimento para elas.

7. Dica de Cecilia Peres – Fanpage Facebook As Minhas Plantas –
Ouço muitas vezes dizer às pessoas qque compram flores:
Vou comprar, mas morrem logo.
O que costumam fazer quando compram uma planta?

Normalmente as plantas veem envasadas em turfa. A turfa, só serve para enraizar e transporte. As plantas quando veem dos viveiros, veem muito adubadas, depois deixam de o ser. a turfa seca e as plantas secam e morrem.

Aqui fica um conselho:
Quando comprar uma planta, desenvase- a e com um palito de espetada tente desembaraçar as raízes o maior numero possível coloque terra nova misturada com alguma areia, para que haja uma boa drenagem no solo. Regue a planta, e deixe-a durante alguns dias à sombra.

8. Minha Dica – Planejamento
Quando for plantar, transplantar, plantar aquelas mudas de galhos, compre toooooddooooo material necessário antes de começar e a mais, se sobrar você vai acabar por utilizar mais tarde, não é dinheiro mal gasto. Não faça como eu, compro o suficiente e o que eu acho suficiente nunnnnnca é suficiente, sempre falta substrato, depois falta a areia, depois fica faltando vaso..
Desta vez trouxe as mudinhas de Portugal, sai de lá achando que tinha trazido diversas espécies…me enganei, acabei pegando muitas iguais e deixei várias sem pegar. Então se programe, faça uma lista do que tem e do que quer ter, por exemplo eu queria fazer arranjos, mas com pouca diversidade de espécies, eles não ficam muito atraentes.

Aí comprei vasos e terra achando “isso dá e sobra” ledo engano, no inicio faltou substrato e perlite aí dei aquela economizada. Resultado agora estou mexendo novamente nos vasos…Super errado, agora era o momento das mudinhas se assentarem e iniciarem aquele crescimento que a gente tanta espera. Custo benefício zero, pois pode perder as mudas que compraram ou ganharam. Certo??

9. Todas as suculentas devem ficar ao sol?

Sim, a maioria delas prefere sol direto, mas procure pesquisar, pois algumas preferem sol apenas durante parte do dia. Se você notar que sua suculenta está ficando com as folhas murchinhas e amareladas é sinal que sua suculenta está precisando de mais sol. Sinceramente não me lembro de ter visto alguma suculenta que morreu por excesso de sol, ela apenas muda sua coloração, o que chamamos de estar sob stress.

Link Fotos Josi Cardoso

Dicas de Cultivo de SUCULENTAS

1. Sobre Perlite, quando fui perguntada sobre um substituto no Brasil.
Minha resposta:
ela pode ser um substituto da areia, ideal para crescimento de raizes, abosorve e segura ar e umidade e melhora a drenagem…O perlite é uma rocha vulcanica e uma vantagem é ser mais leve. Não sei o nome aí no Brasil, mas peça por Perlite mesmo ou rocha vulcanica, são umas pedrinhas, parece cal, super fininho e super leve…

Tiko Santos Jr respondeu – areia grossa de rio (não serve areia da praia, pois essa contém sal), que pode ser encontrada em lojas de material de construção, a preços módicos;
– turfa (uma espécie de substrato vegetal, muito utilizada em bonsais);
– terra vegetal (um composto orgânico à base de cascas de plantas, principalmente palha de côco), bastante utilizada como substrato para samambaias.

Há quem utilize também Vermiculita, outro mineral utilizado em bonsais para “aerar” o solo, e que auxilia inclusive na manutenção de uma temperatura aceitável para plantas expostas diretamente à luz solar (como os cactos, por exemplo). Particularmente, não uso Vermiculita, pois pode ser tóxica, existem relatos de que a exposição ao amianto e basalto sejam prejudiciais ao longo do tempo.
Se quiser ler mais sobre a perlita, clica aqui.

2. Dica da Josi Cardoso – Para manter as Suculenats saudáveis
Josi Cardoso, aquela de São José, Santa Catarina, que tem a coleção de suculentas mais lindas que eu já vi, elogiada por todos, sem exceção, disse que usa Captan, encontrada nas agropecuárias e uso fertilizante da forth 4-14-8. uma vez a cada 15 dias.


3. Pergunta de Andreia Nascimento – Fanpage
Sou de SP..aqui chove um monte… as minhas suculentinhas além de frio estão encharcadas…o que faço??!!
Retirar elas da chuva, coloca num lugar onde tu possa cobri- las, é o que faço com as minhas, além de ter o solo bem drenado, sem pratinho em baixo do vaso. Sabe o que eu fazia também, era cortar aquelas garrafas de 5 ou 7 litros de água, então ficava igual aqueles protetores de bolo, sabe? na hora que começar a chover é só colocar nos vasos…funcionava bem. Se elas continuarem encharcadas, provavelmente vão apodrecer.


Outra ideia é da Jill Ingram Coleman,  veja foto é genial…pode proteger da chuva e sol, sem esconder a planta..o que acharam? compartilhem se gostarem..Ah esqueci de dizer são pratos de plastico…mas vc pode usar o que achar razoável.



 Quer saber mais sobre regas, clica aqui.
4. Pergunta sobre o melhor substrato.
Eu costumo usar o Substrato próprio para cactos e ainda colocava um pouco de areia 2 para 1 (areia de construção) para baratear rs…
Areia de praia não é recomendada, nunca usei, mas tem uma leitora aqui no blog a Rute que usa e não tem problemas e sobre isso eu estava pensando…Muitas suculentas tem seu habitat natural na praia, regiões oceânicas..e agora?? rsrs

Outro leitor aqui do blog (Dasts) sugeriu utilizar areia de filtro de piscinas, que evita a compactação e tem ph neutro e tem procedência confiável, enquanto que a arei de material de construção pode ter alguma mistura, aí envolveria um processo de esterilização e peneira.


5. Dica de Cecilia Peres – Chá de Casca de Banana – Grupo Troca de Plantas Portugal – Facebook 
É rico em PK ajuda as plantas á sua floração, eu uso nas Orquídeas.
Ferver 5 cascas de banana em 1,5 litros de água. Deixe arrefecer e cada 0,5 l. mistura num litro de água e rega as plantas cada 15 dias. O N faz as folhas das plantas demasiado grandes.


6. Dica de Cecilia Peres –  Facebook As Minhas Plantas –
Por muito que goste de uma flor ou planta, nunca compre uma planta doente, ela contagiará as outras.
Verifique as folhas e os raminhos e certifique-se que não tem praga nem estão doentes, o gosto pela planta pode não compensar se pegar a doença ou praga a outras.
Recuse plantas cujas raízes saem pelos furos de drenagem e muitas raízes no topo do vaso.
Ao escolher uma planta escolha aquela que tiver mais brotos por abrir.
Logo que possa troca a terra, pois se estiver envasada em turfa, rapidamente irá perder-se, pois a turfa seca em volta do tronco e será difícil a rega, a turfa não tem qualquer alimento para elas.


7. Dica de Cecilia Peres – Fanpage Facebook As Minhas Plantas –
Ouço muitas vezes dizer às pessoas qque compram flores:
Vou comprar, mas morrem logo.
O que costumam fazer quando compram uma planta?

Normalmente as plantas veem envasadas em turfa. A turfa, só serve para enraizar e transporte. As plantas quando veem dos viveiros, veem muito adubadas, depois deixam de o ser. a turfa seca e as plantas secam e morrem.

Aqui fica um conselho:
Quando comprar uma planta, desenvase- a e com um palito de espetada tente desembaraçar as raízes o maior numero possível coloque terra nova misturada com alguma areia, para que haja uma boa drenagem no solo. Regue a planta, e deixe-a durante alguns dias à sombra.



8. Minha Dica – Planejamento
Quando for plantar, transplantar, plantar aquelas mudas de galhos, compre toooooddooooo material necessário antes de começar e a mais, se sobrar você vai acabar por utilizar mais tarde, não é dinheiro mal gasto. Não faça como eu, compro o suficiente e o que eu acho suficiente nunnnnnca é suficiente, sempre falta substrato, depois falta a areia, depois fica faltando vaso..
Desta vez trouxe as mudinhas de Portugal, sai de lá achando que tinha trazido diversas espécies…me enganei, acabei pegando muitas iguais e deixei várias sem pegar. Então se programe, faça uma lista do que tem e do que quer ter, por exemplo eu queria fazer arranjos, mas com pouca diversidade de espécies, eles não ficam muito atraentes.

Aí comprei vasos e terra achando “isso dá e sobra” ledo engano, no inicio faltou substrato e perlite aí dei aquela economizada. Resultado agora estou mexendo novamente nos vasos…Super errado, agora era o momento das mudinhas se assentarem e iniciarem aquele crescimento que a gente tanta espera. Custo benefício zero, pois pode perder as mudas que compraram ou ganharam. Certo??


9. Todas as suculentas devem ficar ao sol? 

Sim, a maioria delas prefere sol direto, mas procure pesquisar, pois algumas preferem sol apenas durante parte do dia. Se você notar que sua suculenta está ficando com as folhas murchinhas e amareladas é sinal que sua suculenta está precisando de mais sol. Sinceramente não me lembro de ter visto alguma suculenta que morreu por excesso de sol, ela apenas muda sua coloração, o que chamamos de estar sob stress. 



Link Fotos Josi Cardoso

Como cuidar das plantas no frio?

Alessandro Terracini

Alessandro Terracini

Chegou a estação mais fria do ano. Com isso, surgem algumas dúvidas em relação aos cuidados com as plantas daquele lindo jardim que construímos nas últimas semanas. Vamos a algumas dicas e explicações antes de tomar um chocolate quente curtindo a natureza que cultivamos e fizemos crescer em nossa casa!
Quais espécies são mais adaptadas ao inverno?

Veja algumas espécies de plantas que se dão bem no inverno

As azaleias (Rhododendron simsii) são arbustos de floração abundante que devem ser cultivados em sol pleno 

Originária do Japão, China e Coreia, a Camélia (Camellia japonica) dá flores brancas, cor-de-rosa, vermelhas e até bicolores durante o outono e o inverno.

Plantação de caquis. O caquizeiro (Diospyros kaki,) é originário da China e foi trazido ao Brasil por imigrantes japoneses no início do século 20. A árvore aprecia clima ameno e frio.

Figueira (Ficus) do Parque da Luz, no Centro de São Paulo. Há mais de 750 espécies de figueira, em geral árvores -algumas de grande porte-, embora existam também na forma de arbustos .

A Gardênia (Gardenia jasminoides) é uma planta arbustiva que chega a atingir dois metros de altura. Suas flores são extremamente perfumadas e suas folhas de um verde escuro são perenes  

A Jabuticabeira (Myrciaria cauliflora) é nativa da Mata Atlântica. De crescimento lento, leva cerca de dez anos para começar a produzir frutos 

Flor da árvore conhecida como pata de vaca (Bauhinia forticata). Nativa da Mata Atlântica, possui belas flores e é muito usada como medicamento 

Pomar com pessegueiros (Prunus persica), árvore de pequeno porte, nativa da China e de bela floração cor de rosa 

A Primavera (Bougainvillea glabra) é uma trepadeira lenhosa que também pode ser cultivada como arbusto. Tem florescimento abundante e colorido

O ipê roxo (Tabebuia impetiginosa), nativo da América do Sul, tem crescimento moderado a rápido e pode atingir dois metros de altura. A floração é abundante e acontece no final do inverno 

Durante os meses de junho, julho, agosto e setembro, no sul e no sudeste do país, algumas espécies se cuidam sozinhas. Elas entram em um processo semelhante à hibernação dos animais e simplesmente adormecem. São plantas que diminuem a velocidade de seu crescimento vegetativo e acumulam energia para florescer com força total depois do frio. Entre elas, encontram-se muitos arbustos e árvores, que necessitam de poda de limpeza nesta época.
Por outro lado, algumas espécies carecem de mais atenção. Os canteiros de hortaliças, por exemplo, podem ser cobertos por uma camada de folhas e galhos secos, técnica que servirá como isolante térmico, além de repor a matéria orgânica, melhorando a fertilidade e a textura do solo.
A série de cuidados possíveis durante o frio inclui, ainda, no caso de espécies maiores tais como árvores e arbustos, a remoção de galhos secos, malformados e doentes para que a luz do sol se distribua melhor por toda a superfície da planta.
Outra dica: durante o inverno, regue as plantas somente quando a terra começar a secar, porque o frio reduz a evaporação da água.

Espécies que gostam do frio

Vale lembrar que algumas espécies atingem seu esplendor justamente no tempo gelado. Por isso, vale a pena saber como podar, adubar e proteger cada uma delas conforme suas necessidades e características, uma prática que pode garantir um jardim florido durante todas as estações do ano.
Ipê roxo, pata de vaca, primaveras, camélia, azaleia e gardênia são boas dicas para o cultivo no inverno. Também ficam bonitas nessa época árvores frutíferas que perdem folhas: jabuticabeira, caquizeiro, figueira, pessegueiro e pereira.
Aproveite o inverno para combater pragas e doenças: como a maioria delas reduz sua proliferação neste período, é um bom momento para controlá-las de forma mais eficiente. Tenha cuidado com as exceções à regra: algumas doenças provenientes de fungos aumentam, principalmente em regiões com longos períodos chuvosos.
Para ministrar tratamentos de doenças em plantas, como fungicidas e remédios para controle de pragas, entre outros, é indicado contar com o trabalho de um profissional jardineiro, agrônomo ou paisagista.Link