Poluição pode diminuir com plantas trepadeiras

Por Mariana Montenegro 

Você sabia que deixar plantas trepadeiras nas fachadas cria corredores verdes pelas cidades que podem diminuir a poluição em até 30%? Segundo um estudo britânico publicado no periódico Tecnologia e Ciência do Ambiente, as trepadeiras podem ser uma medida mais eficiente para filtrar a poluição desses grandes centros urbanos.
A criação dos corredores verdes, vários prédios com paredes inteiras cobertas por um tipo único de planta, são similares a jardins verticais.
De acordo com especialistas, as plantas trepadeiras têm vantagens práticas além do benefício ambiental. A implantação desse tipo de vegetação nas grandes cidades pode salvar o meio ambiente local e trazer benefícios para nosso planeta. E você, plantaria trepadeiras na fachada da sua casa?
Anúncios

As Plantas de Interior a Serviço de sua SAÚDE

Em uma residência, onde há vasos com plantas bem cuidadas há,
também, a garantia de uma vida saudável para os moradores.

Chrysanthemum frutescens – margarida-de-paris.
 
Sempre ouvimos falar sobre a capacidade que algumas plantas têm de eliminar os poluentes que existem em toda e qualquer residência. Sem notar, respiramos um ar contaminado por ácaros, larvas e fungos que são trazidos pelo sistema de ar condicionado e também pelas substâncias tóxicas utilizadas na fabricação de cortinas, tapetes, móveis, carpetes e os aparelhos domésticos. Mais de 900 tipos diferentes de poluentes já foram detectados em pesquisas feitas pela NASA e comandadas pelo Dr. Bill Wolverton.
Quando a NASA projetou a primeira estação espacial Skylab, que foi lançada, mais tarde em maio de 1973, viu a necessidade de procurar um sistema de depuração do ar no interior da espaçonave. Os projetistas perceberam que os ambientes hermeticamente fechados possuíam um elevado índice de contaminação por conta das emanações dos materiais empregados nos equipamentos e mobiliário.
Bill Wolverton, em seu laboratório, investigou e acabou descobrindo que substâncias como o formaldeído (que produz irritação no sistema respiratório, olhos e pele; podendo ocasionar câncer e esclerose múltipla) e o amoníaco (cujos vapores são extremamente irritantes e corrosivos) podem ser controladas através de plantas bastante conhecidas, que vivem bem em ambientes com pouca ou nenhuma ventilação.
A seguir algumas espécies recomendadas por vários pesquisadores, como o acima mencionado e também por Eva Katharina Hoffmann e Ken Yeang, entre outros. Os números que aparecem entre parênteses indicam as substâncias que as espécies controlam.
Legenda: 1 Formaldeído, 2 Xilol, 3 Toluol, 4 Benzol, 5 Tricloroetileno, 6 Clorofórmio, 7 Amoníaco, 8 Álcool, 9 Acetona.
NOME BOTÂNICO [NOME POPULAR (substâncias que controlam)]
Anthurium [antúrios (2, 3,7)]
Begonia [begônias (varias substancias nocivas)]
Chamaedorea elegans [palmeira-camaedorea (1, 4, 5)]
Chrysanthemum frutescens [margarida-de-paris (1,4 7)]
Dieffenbachia [comigo-ninguem-pode (2 3)]
Epipremnum pinnatum [jibóia (6)]
Dracaena deremensis e fragrans [dracena e pau-d’água (1 5)]
Fícus benjamina [fícus benjamim (1, 2, 3, 7)]
Hedera helix [hera-inglesa (1 4)]
Maranta [marantas (7)]
Nephrolepis exaltata [samambaia (1, 2, 3)]
Spathiphyllum [lírios-da-paz (1, 8, 9)]
Gérbera jamesonii [gérbera (4)]

É recomendável a utilização de espécies variadas, já que algumas são eficazes durante o dia e outras à noite.(jardim das ideias)