Os recursos naturais no Brasil

Direto do AURORA BOREAL
Conheça os principais recursos naturais brasileiros e ONGs que atuam na preservação ambiental no país.

O Brasil possui nove ecossistemas, compostos por uma fauna e flora diversificadas, presentes em seu território. A Mata Atlântica já ocupou cerca de 50% de todo território brasileiro antes de ser devastada. Hoje somente 10% desse ecossistema que um dia predominou o país ainda sobrevive.
A exploração desenfreada de recursos naturais em todo mundo é motivo de preocupação para ONGs (Organizações Não Governamentais) e estudiosos. Muitos dos recursos explorados não são renováveis ou carecem de um tempo maior para se recuperarem do que permite a exploração descontrolada. Inúmeras espécies já foram extintas e muitas ainda correm o risco de desaparecer.
A água

Outra preocupação alarmante é a escassez de água em todo o mundo. Atualmente, estima-se que um bilhão de pessoas não tenham acesso a água potável. Em 2025, dois terços da população mundial não deverão ter acesso a água adequada para consumo se nenhuma medida de preservação e manutenção das nascentes e rios não forem tomadas.

22 de março de 2013
Atualmente o dia mundial da água é celebrado por diversos países. A medida busca atingir toda população mundial, visando práticas de consumo consciente. O Brasil possui a maior reserva de água doce no mundo, e mesmo assim milhares de brasileiros não têm acesso a água potável. A produção agrícola crescente e o aumento populacional são os principais fatores que levarão à escassez da água em todo o mundo.
Atuação de ONGs no Brasil

Iniciativas de ONGs tentam frear a exploração indevida e destruidora de recursos naturais. O papel principal dessas organizações é a responsabilidade social, a prática do consumo consciente e proteção à natureza. Conheça algumas das principais entidades que trabalham no país.

WWF

A ONG mundial também atua no Brasil através de ações socio-educativas voltadas à conservação do meio ambiente. O WWF- Brasil “é comprometido com o fortalecimento do movimento ambientalista brasileiro e com o engajamento da sociedade na conservação da natureza”, segundo o site da organização. Para se associar a ONG basta entrar no site e realizar um cadastro.

Greenpeace

O Greenpeace é a ONG mais conhecida mundialmente. Possui diversas iniciativas espalhadas pelo mundo todo. No Brasil, ela mantém, entre outros, o projeto Meia Amazônia Não. No Senado, circula um projeto de lei (PL) que os ambientalistas chamam de “Floresta Zero” que prevê o aumento da porcentagem de desmatamento na Amazônia de 20% para 50%. Caso seja aprovado, em algumas décadas metade da floresta amazônica poderá desaparecer e dar lugar a pastos e plantações. O projeto Meia Amazônia Não luta diretamente contra esse projeto de lei. Através dessa petição, o Greenpeace vai lutar contra desmatamento da Amazônia. Para assinar, acesse o link .

Tamar

O projeto vinculado ao IBAMA atua na área de preservação de espécies de tartarugas que desovam na costa brasileira. A cada cem tartarugas que nascem, somente uma chega à fase adulta. O projetoTamar acompanha as tartarugas desde o seu processo de desova ao nascimento dos filhotes, garantindo um aumento significativo de tartarugas que sobrevivem a ações naturais e má conservação das praias que são área de desova.

SOS Mata Atlântica

A ONG brasileira atua desde 1986 no combate ao desmatamento da mata Atlântica. Através de iniciativas de conscientização ambiental a ONG busca alertar toda a população para a exploração indevida dos recursos naturais da mata Atlântica e seu extermínio gradativo e crescente. Para ser um defensor da mata atlântica, basta acessar o link.

Consciência Verde

O conceito de sustentabilidade pode ser empregado por todos os cidadãos. Conscientizar-se diante do uso indevido de recursos naturais, principalmente os não renováveis, garantirá uma vida útil ao nosso planeta. Evite o desperdício de água e assegure um planeta mais verde para as próximas gerações.

Seja consciente e respeite a natureza. Ajude as ONGs no trabalho diário contra o desmatamento e seja um defensor de causas ambientais. O Brasil que foi sede do Rio + 20 em 2012 tem potencial para ser percussor em projetos de preservação ambiental graças a sua diversidade de espécies e ecossistemas. Preservar é garantir continuidade a vida, é garantir um Brasil verde e amarelo, multicolorido. Preservar é a cara do Brasil. Link
Anúncios

AURORA BOREAL

Essa é “das Arábias”

 Por estar num vale, a casa parede subterrânea de diversos pontos de vista, mas quem alcança o vale, pode ver sua fachada. Foto: Divulgação/ Erieta Attali e Ed Reeve


Parece mentira, mas não é. Essa casa foi construída entre quatro rochas na serra de Fafe, em Portugal. Foto: JSome1
O telhado forma as paredes nesta casa do escritório japonês On Design, em Tóquio. Foto: Divulgação/ Koichi Torimura


O Archipod é uma estrutura circular feita de madeira e fibra de vidro, com acabamento de gesso acartonado . Foto: Divulgação


É subterrânea a casa criada por Emilio Ambasz e Felipe Palomino com duas fachadas em 90º e uma vista deslumbrante. Foto: Divulgação/ Michele Alassio


No litoral do Japão, essa casa do Studio Ciel Rouge Création conta com museu, casa de hóspedes e resort. Foto: Divulgação/ Ishii. T


Duas pipas de vinho foram utilizadas para formar esta casa no Rio Grande do Sul . Foto: Divulgação


O professor aposentado Roberto Sanchez Rivera construiu uma casa em formato de nave espacial na cidade de Ponce, em Porto Rico . Foto: Divulgação / NYT


O telhado forma as paredes nesta casa do escritório japonês On Design, em Tóquio. Foto: Divulgação/ Koichi Torimura Link

Trilha das Ruínas, em Guarujá, reúne preciosidades da história do litoral

Ruínas da Igreja Ermida do Guaimbê, do século XVI, estão na trilha.
Caminho dá acesso à três praias de Guarujá, no litoral de São Paulo.

Anna Gabriela Ribeiro
Trilha das Ruínas conserva uma das áreas mais preservadas da Mata Atlântica (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)Trilha das Ruínas conserva uma área preservadas da Mata Atlântica (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)
Observar as ruínas de uma das primeiras igrejas do Brasil, em meio à área preservada da Mata Atlântica, é um dos passeios possíveis para quem visita ou mora em Guarujá, no litoral de São Paulo. A Trilha das Ruínas reúne história, natureza e aventura em um caminho que dá acesso às mais belas e inóspitas praias da cidade.
O acesso para a trilha é feito pela Rodovia Ariovaldo de Almeida Viana e, ainda no percurso de carro, o visual já é surpreendente, com bastante vegetação em torno da estrada. Para quem parte do Centro de Guarujá, a rota leva cerca de 40 minutos pela estrada, que também é conhecida como SP-61 Guarujá-Bertioga.
Ao chegar no local de onde parte a balsa para Bertioga, cidade vizinha, o visitante deve deixar o carro estacionado, colocar tênis e roupas confortáveis para iniciar a Trilha das Ruínas, que tem acesso gratuito. É possível fazer a trilha sem orientação, porém, o ideal é contar com a ajuda de um guia, que além de auxiliar no percurso pode narrar as curiosidades ambientais e históricas do lugar.
Caminho de pedras é alternativa (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)Caminho de pedras é alternativa
(Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)
A trilha está entre uma das áreas mais preservadas de Mata Atlântica e, em certos pontos, proporciona a visão do mar de Bertioga. Durante a caminhada, pode-se observar diversas espécies de pássaros, muitas borboletas de cores variadas e esquilos que se aventuram de árvore em árvore em busca de comida. Eles, por exemplo, já não se intimidam com os flashes das máquinas fotográficas.
Para biólogos e interessados em observar a natureza, o material de estudo é vasto. De acordo com moradores locais, há Bromélias, Manacá da Serra, pé de jaca e plantas medicinais. A caminhada dura cerca de meia hora, mas com as paradas para se fazer estudo do meio, pode render até uma hora.
No meio do percurso da Trilha das Ruínas estão as ruínas da Igreja Ermida do Guaibê, construída no século XVI. Segundo a coordenadora do grupo de monitores da Prainha Branca, Claudenice Oliveira Almeida, há um estudo que visa comprovar se esta foi a primeira igreja do Brasil. Ela conta que Padre Anchieta usava o local para catequizar os índios. A pia onde eram realizados os batismos ainda está intacta entre as ruínas. “As pessoas que visitam aqui gostam de pegar um pouquinho desta água da pia de batismo e levam para casa. Cada um tem a sua fé”, afirma Claudenice.
Caminho de pedras é alternativa  (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)Trilha fica a 40 minutos do Centro de Guarujá
(Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)
A coordenadora conta que sua mãe, na década de 50, ainda teve a oportunidade de frequentar missas nesta igreja. “Não faz tanto tempo que o lugar virou ruína. Meus pais e moradores da comunidade Prainha realizaram missas e batismos nesta igreja. Uma pena ver nossa história destruída. O local ainda podia estar preservado”, diz Claudenice.
A construção da Igreja Ermida do Guaibê é de pedra com sambaquis e óleo de baleia com conchas. Já os arcos da igreja se mantém intactos proporcionando uma visão da antiga estrutura do local. O local é ideal para estudiosos, arquitetos ou curiosos sobre a história do Brasil. Uma escadaria de pedras dá acesso às ruínas, que mesmo tomada por plantas e limos, ainda mantém a energia do lugar.
A trilha tem dois caminhos distintos, um de terra batida e outro feito de pedras, que é considerado mais fácil. Este caminho de pedras foi construído há seis anos para atender aos moradores da comunidade Praia Branca, que só conseguem chegar em suas casas através da Trilha das Ruínas. A trilha dá acesso às praias Branca, Preta e Camburi. E o que para muitos é um passeio diferente, para centenas de pessoas a íngreme caminhada faz parte da rotina diária para voltar para casa.
Ruínas da Igreja onde Padre Anchieta catequizava índios no século XVI (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)Ruínas da Igreja onde Padre Anchieta catequizava índios no século XVI (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1

Noticias do Meio

AURORA BOREAL BLOG SPOT

Quer se isolar? E se seu sofá fosse uma bolha?

 Por  

Sabe aqueles dias que você gostaria de se isolar de tudo e de todos? Seja por cansaço, desânimo, tristeza ou por uma “bela” TPM. Todos temos dias assim. Isolar-se e ficar quieto em um canto parece um sonho que agora pode se tornar realidade. Foi lançado o Cocoon Concept , o “grande amigo” dos dias de TPM e de mau humor.

Esse móvel vem com três módulos que podem ser trocados e que lembram vagamente peças gigantes de Lego. É um sofá cama com uma bolha ao redor, que isola completamente a pessoas que está dentro. Ideal para se isolar do mundo, seja para pensar, ler, estudar ou até mesmo dormir.







Pagination