COMO FAZER UM JARDIM VERTICAL

Parede Verde, também conhecido como jardim verticalpainel verdefachada verde e Ecoparede é um sistema de revestimento de parede com vegetação, com as características abaixo:
– Pode ser instalado em qualquer ambiente (jardim vertical interior ou jardim vertical exterior);
– Tamanho deve ser de múltiplos de largura de 45cm e altura de 10cm;
– Requer cuidados mínimos;
– Disponível para todo território nacional;
– Sistema de hidrocultura;
– Pode ser ornamental ou cultivo;
– Irrigação automatizada e com fertilizantes orgânicos;
– Cada módulo pode ser retirado da parede, independente do conjunto, caso necessite ser substituído;
– O jardim vertical é montado destacado da parede, evitando assim passar umidade ao prédio;
– O jardim vertical é uma forma de amenizar a árida aparência dos prédios urbanos;
– O jardim vertical é uma forma eficaz de combater o efeito ilha de calor urbano, pois evita acumulo de energia;
– Desde pequenos muros até grandes fachadas prediais, todos se adaptam a este processo de dinamização e revitalização de fachadas, tornando-as verdadeiramente vivas e ecologicamente ativas.
Você encontra o arquivo PDF com as especificações desse tipo de jardim aqui:
Anúncios

Mais LIMPO e mais VERDE

07_Personal_Fresh_Air-Julio_Radesca
Dentro de um edifício enorme, nos arredores de uma dascidades mais poluídas do mundo , o ar está limpo – tudo graças a três fábricas e um homem.
Personal_Fresh_Air-Julio_Radesca
Kamal Meattle é um pesquisador indiano cuja capacidade pulmonar tornou-se severamente prejudicada devido à poluição, em Nova Delhi. Conduzido para encontrar uma solução, ele descobriu que, colocando certas plantas em locais específicos dentro de casa, um edifício pode realmente crescer ar fresco. Meattle deu uma palestra TED sobre o fenômeno em 2009.
Personal_Fresh_Air-agrupados
Uma vez contratado, o projeto de Délhi em Meattle reduziu significativamente irritação nos olhos, sintomas respiratórios, dores de cabeça e asma entre as pessoas que trabalham no prédio.
Kamal-Meattle
Além do mais, a ideia inspirou Julio Radesca, uma estudante de design industrial na Academia de Design de Eindhoven, na Holanda. No ano passado, Radesca criou o que alguns chamaram de “cubículos glorificados “empregando a mesma técnica de três plantas para o cultivo de ar fresco como Meattle fez em Nova Delhi. Apropriadamente, Radesca batizou seu projeto de ar fresco pessoal .
04_Personal_Fresh_Air-Julio_Radesca
How_Personal_Fresh_Air-Works-Julio_Radesca1
O conceito é, uma mesa minimalista, atraente, com um top de plantas cortadas. As três plantas utilizadas por ambos Meattle e Radesca são Areca Palm, que converte dióxido de carbono para Tongue oxigênio, mãe-de-lei, que faz o mesmo durante a noite, e planta de dinheiro, que remove formaldeído e substâncias químicas no ar semelhante voláteis.
pessoal-fresh-air-3-plantas
Enquanto as plantas crescem ar fresco, eles também oferecem privacidade para cada mesa, substituindo paredes cúbicos. E porque as mesas são hidroponia e solo-menos – eles apresentam perlita leve em vez – Tempos de rega e limpeza são drasticamente reduzidos. Eficiência, beleza e sustentabilidade? Esse é um conceito de trabalho que pode ficar para trás.Link

Jardim de um solteiro

Fomos chamadas para trazer vida e deixar mais aconchegante esse simpático apartamento de solteiro, que agora tem também uma dona…
Uma “barreira” verde florida para dar mais privacidade…
Um vaso novo para a clúsia, antiga companheira…
Uma escultura viva para a sala de jantar
Outra escultura viva…

Pequenos toques de vida espalhados pela casa…
Até na janela do banheiro!
Esse jardim foi realizado em parceria com a paisagista Anna Luiza Moraes. Link

Sempre cabe um jardim

Reportagem de Marisa Vieira da Costa
Produção de Maria Regina Notolini
Fotos de Zeca Wittner
Falta de espaço não serve de desculpa: poucos metros quadrados são suficientes para criar um jardim e mudar o astral de uma casa. Paisagistas fazem milagres com o mínimo e garantem que sempre há uma solução para compor um cenário verde. “É só botar a imaginação para funcionar”, afirma a paisagista Luciene Vila Wertheim.
A partir daí vale tudo – quintal, varanda, sacadinha, canto, corredor perdido, parede, laje. “E não existem desculpas”, insiste Luciene. “Se o tanque e a máquina de lavar estragam o visual, é só isolar a lavanderia com uma cerca viva ou um painel de treliça com vasinhos, por exemplo. Se não der para ter flores e espécies exuberantes, contente-se com vasos de flores e folhagens bem distribuídos sobre uma mesa bonita e um canteiro de temperos.”

O mercado está abarrotado de peças e materiais usados para se montar pequenos jardins. Além dos entrepostos e grandes revendedores, em qualquer bairro é possível encontrar lojas que vendem vasos, suportes, painéis para compor quadros-vivos, pedras, pedriscos, cascas de árvore, terra, adubos, além de um sem número de objetos de decoração e, é claro, uma variedade infinita de plantas. “Como São Paulo é uma cidade de clima subtropical, muitas, mas muitas espécies mesmo, se dão bem aqui”, diz ela.Numa atitude quase desafiadora, a paisagista colocou um jardim com fonte e tudo no banheiro da suíte de uma casa na Aclimação. O box, grande, se integra, por meio de porta de vidro de correr a um pequeno espaço com pérgola, fonte, costelas-de-Adão, marantas, pacovás e forração de cedrinho e tostão. Na entrada da mesma casa, ela aproveitou uma lateral de 8 m² para fazer um jardinzinho separado do hall por um pano de vidro. Na parede, para dar profundidade, foi pintado um trompe d’oeil suave de um jardim italiano que se junta com a fonte, os ciprestes, o maciço de costelas-de-Adão, as camélias, bromélias, a forração de marantas e pedras de rio.

Canto do jardim projetado por Odilon Claro, com trepadeira, vaso, vasinhos e quadro-vivo com ripsalis, columeia, orquídeas, violeta e dinheiro-em-penca
Usar frutíferas é outra boa opção para pequenos espaços. E foi isso que fez o paisagista Odilon Claro quando, há dois anos, começou a transformar o quintal vazio de um sobrado nos Jardins num lugar agradável. Pintou as paredes de um tom de rosa fechado para ganhar um ar toscano, colocou pisadas de concreto entremeadas de seixos no chão e foi espalhando espécies. Nos fundos, direto na terra, plantou jabuticabeira, murta, íris e clerodendro. Em vasos, entre outras, romã, para atrair passarinhos. Pôs floreira com thumbergia erecta (que dá uma flor roxa com miolo amarelo) ao longo de um corredor e, junto à pérgola, o pé de jasmim sobe, se entrelaça pela madeira e chega à janela de uma edícula. Na parede, o quadro vivo de fibra de coco abriga ripsális, columeia, orquídeas, violeta e dinheiro-em-penca.

Detalhe do jardim dentro de um banheiro, projeto da paisagista Luciene Vila Wertheim. Entre os degraus de uma fonte, costelas-de-adão e pacovás; como forração, cedrinho e tostão. À direita,
Odilon diz que jardins pequenos devem ser muito bem projetados para não atrapalhar a circulação e que a escolha das espécies é muito importante. Por isso, Cristina Araújo pesquisou muito ao ser contratada para projetar uma cobertura no Morumbi. Como era preciso garantir a segurança das crianças, a paisagista cercou toda a área com treliças de ipê em forma de módulos. “Aí pensei em plantas que não fossem perigosas (as venenosas e as que têm espinhos), de fácil manutenção e cujas raízes não comprometessem o sistema de escoamento de água do prédio” diz Cristina. Próximo da escada que leva à piscina, alinhou quatro vasos de buxinho topiado para servir de “cerca” para as crianças. Em vasos, distribuiu laranjinha- kinkã e cerejinha do Rio Grande e, num painel de treliça, pôs vasinhos de cerâmica vitrificada com hera, ripsális, arpago e jasmim. Para fazer o jogo de volume, uma iuca.
Jardim no banheiro de uma casa na Aclimação. À esq., jardim na entrada do ateliê da ceramista Vanisa Avanzo, com fonte, mandalas, vasos e plantas de várias espécies; destaque para a pendente, no meio: a diferente flor-de-cera retorcida
Pequenos jardins não precisam, necessariamente, ficar na parte de trás da casa. E o ateliê da ceramista Vanisa Cury Avanzo, numa movimentada rua do Morumbi, é exemplo disso. Quem passa na frente do sobradinho onde ela trabalha e expõe suas obras é atraído pelo visual da entrada. “Aqui era uma garagem, que pusemos abaixo”, explica a artista plástica, que, com o marido e o paisagista Bruno Carettoni, montou o jardim que atrai fregueses.
Romãzeira em vaso no jardim projetado por Odilon Claro. À direita, o tom rosa fechado das paredes remete à Toscana, assim como a trepadeira e os vasinhos em moldura branca
Quebrado o piso, foi criado um caminho sinuoso de cimento queimado, com juntas de cerâmica e incrustração de lajotinhas feitas por Vanisa. Num canto, um laguinho foi montado para que ela expusesse a fonte chamada DNA; do lado oposto, Bruno criou um gazebo, onde se destacam mandalas, um grande vaso com a exótica espécie chamada peixinho. Nas paredes, suportes de ferro galvanizado guardam vasos em forma de cone. Dentro de um deles, ripsális, a bela e diferente flor-de-cera retorcida, orquídeas e suculentas; em outro, a horta vertical abriga salsinha, cebolinha, hortelã, manjericão, orégano, tominho e morango. Isolada e bela, um minipata-de-elefante. No chão, dinheiro-em-penca, bromélias e pacovás.
“Tem gente que vem para ver a cerâmica e quer reproduzir esse jardim em casa”, diz Vanisa, que vai expor suas peças na 12ª Fiaflora ExpoGarden, feira internacional de paisagismo, jardinagem, lazer e floricultura, que vai de quinta-feira até domingo, no Anhembi.
VERDE NA VARANDA
link1. Numa varanda que recebe sol à tarde e muito vento, escolha, por exemplo, a trepadeira amor-agarradinho e ipomeia (usando sempre uma treliça como suporte); ixora, que, além de ornamental, atrai pássaros; fórmio, sempre numa jardineira horizontal junto à grade; bromélias variadas e buxinhos, que se mantêm verde o ano inteiro e permitem topiaria
link2. Em varanda com janela e que recebe o sol da tarde, plante mini-ixoras, lírios-da-paz e bromélias. Ripsális, flor-de-maio e columeias, em vasos suspensos
link3. Em varandas com muito vento, kaizucas em vasos grandes, ligustro, que vai bem até em meia-sombra, e eugênias, cuja folha é mais bonita que as flores
Exemplo de como se pode levar graça com pouco a um jardim. Neste, criado por Odilon Claro, o tom rosa fechado das paredes remete à Toscana, assim como a trepadeira e os vasinhos em moldura Branca
DICAS PARA MONTAR UM JARDIM EM CASA
link1. Comece pelo piso. Se for de cimento e você não quiser quebradeira, cubra o espaço com manta Bidim-Mac-Draim e, por cima, coloque de 3 a 4 cm de terra adubada. Verifique as aberturas para escoamento da água. Em seguida, coloque a grama (em rolos). Faça caminhos, espalhe pedriscos, pisadas, decks de madeira
link2. Distribua as plantas em vasos ou floreiras ou plante direto na terra. Consulte especialistas para saber as espécies que se harmonizam e onde, segundo a posição do sol, deve ser plantado o quê
link3. Disponha os vasos de maneira que uns fiquem mais altos que outros para criar volumetria. Espécies como jabuticabeiras, romãzeiras, azaleias, camarão e jasmim vão bem em vasos. Temperos, em canteiros longos ou vasinhos. Não esqueça as forrações
link4. Preste atenção nas paredes, que podem receber pintura, trepadeiras, quadros vivos ou suporte para vasos
link5. Componha seu jardim com outros elementos, como fontes, bancos, esferas e redes
link6. Mantenha o jardim sempre bem cuidado com regas, limpeza frequente e adubagem