Destaques verdes

 

Poucos exemplares já fazem a diferença em ambientes internos

Na casa projetada pelo arquiteto Roberto Aracri, do Rio de Janeiro, RJ, as características da sala de jantar favorecem a presença de plantas, já que o pé-direito alto oferece boa ventilação e as janelas que contornam todo o ambiente proporcionam luminosidade abundante. Por isso, o resultado com a disposição de vasos com palmeiras e lírio-da-paz foi positivo

A arquiteta e designer de interiores Evelin Sayar, de Santo André, SP, integrou a estrutura de uma árvore ao projeto arquitetônico. Para isso, criou um jardim interno delimitado por pedras, cujo tronco da arbórea é a peça central e nele foram colocados alguns pendentes decorativos e um vaso com folhagem

A arquiteta e designer de interiores Evelin Sayar, de Santo André, SP, integrou a estrutura de uma árvore ao projeto arquitetônico. Para isso, criou um jardim interno delimitado por pedras, cujo tronco da arbórea é a peça central e nele foram colocados alguns pendentes decorativos e um vaso com folhagem
A paisagista Monica Castelo Branco, do escritório Botana Paisagismo, do Rio de Janeiro, RJ, aproveitou um cantinho do ambiente interno para projetar uma bela jardineira revestida de madeira e com borda de vidro, onde foram plantados exemplares de lança-de-são-jorge. O conjunto ganha destaque inclusive à noite, devido aos <i>spots</i> com iluminação direcionada

A paisagista Monica Castelo Branco, do escritório Botana Paisagismo, do Rio de Janeiro, RJ, aproveitou um cantinho do ambiente interno para projetar uma bela jardineira revestida de madeira e com borda de vidro, onde foram plantados exemplares de lança-de-são-jorge. O conjunto ganha destaque inclusive à noite, devido aos spots com iluminação direcionada
Para dar um toque especial e também levar um pouco de vida ao <i>home office</i> desta casa, apostou-se na singularidade da palmeira-rápis cultivada em um vaso decorado. Projeto da arquiteta Angela Martins, de São Paulo, SP

Para dar um toque especial e também levar um pouco de vida ao home office desta casa, apostou-se na singularidade da palmeira-rápis cultivada em um vaso decorado. Projeto da arquiteta Angela Martins, de São Paulo, SP
Esta varanda projetada pela designer de interiores Vivian Calissi, da capital paulista, ficou mais bonita com a disposição dos exemplares de ripsális em quadros de bambu fixados na parede

Esta varanda projetada pela designer de interiores Vivian Calissi, da capital paulista, ficou mais bonita com a disposição dos exemplares de ripsális em quadros de bambu fixados na parede
A vegetação agrega cor e aconchego aos ambientes internos de estilo <i>clean</i>. Por isso, o cantinho da sala da casa projetada pelo engenheiro civil Rogério Gomes, da capital fluminense, ganhou um grande exemplar de palmeira

A vegetação agrega cor e aconchego aos ambientes internos de estilo clean. Por isso, o cantinho da sala da casa projetada pelo engenheiro civil Rogério Gomes, da capital fluminense, ganhou um grande exemplar de palmeira
O grande pândano com sua forma escultural se integrou perfeitamente à sala de estilo despojado, destacando-se ainda mais com a iluminação direcionada. Projeto do arquiteto Alfredo Kobbaz, de Pindamonhangaba, SP

O grande pândano com sua forma escultural se integrou perfeitamente à sala de estilo despojado, destacando-se ainda mais com a iluminação direcionada. Projeto do arquiteto Alfredo Kobbaz, de Pindamonhangaba, SP Link

Árvores AZUIS

O escultor egípcio Konstantin Dimopoulos usou um pigmento azul biologicamente seguro para tingir as árvores em Melbourne, na Austrália, com a intenção de alertar a população sobre o desmatamento de quase 129,5 mil km² de florestas que acontecem a cada ano no planeta.
O protesto serve como obra de arte transitória, a tinta sai com a água da chuva e já se estendeu pela Nova Zelândia, Canadá e Estados Unidos.


“As árvores são invisíveis no nosso dia a dia, e, antes que seja tarde demais, temos de perceber o quão importante elas são para nós, tanto estética quanto ambientalmente. Quero lembrar as pessoas que todos nós podemos contribuir para mudar o desmatamento de uma forma positiva”, explica em seu site.








Via Casa Vogue Link

Árvores AZUIS

O escultor egípcio Konstantin Dimopoulos usou um pigmento azul biologicamente seguro para tingir as árvores em Melbourne, na Austrália, com a intenção de alertar a população sobre o desmatamento de quase 129,5 mil km² de florestas que acontecem a cada ano no planeta.
O protesto serve como obra de arte transitória, a tinta sai com a água da chuva e já se estendeu pela Nova Zelândia, Canadá e Estados Unidos.


“As árvores são invisíveis no nosso dia a dia, e, antes que seja tarde demais, temos de perceber o quão importante elas são para nós, tanto estética quanto ambientalmente. Quero lembrar as pessoas que todos nós podemos contribuir para mudar o desmatamento de uma forma positiva”, explica em seu site.








Via Casa Vogue Link

Buquê-de-noiva – Spirea cantoniensis

 Spirea cantoniensis,
O buquê-de-noiva é um arbusto decíduo e gracioso, de beleza delicada e romântica. Seus ramos são longos, ramificados e curvados e apresentam folhas de coloração verde-escura, pequenas, lanceoladas e com bordos serrilhados. As flores são rosas em miniatura, e podem ser simples ou dobradas, sempre brancas, reunidas em pequenos buquês. A floração ocorre na primavera e início do verão. A variedade de flores dobradas “lanceata” é a mais cultivada.
Ganha destaque especial quando plantado isolado ou pequenos grupos, inserido em um cenário romântico, mas também é adequado para a formação de cercas vivas e renques em grupos. Devido aos ramos longos, pode ser conduzido como trepadeira sobre treliças e outros suportes pequenos, desde que adequadamente tutorado e amarrado. O buquê-de-noiva é interessante em jardins de estilo europeu, como o francês, o inglês e o mediterrâneo.
Deve ser cultivado sempre sob pleno sol, embora tolere a sombra parcial, em substrato rico em matéria orgânica, com boa drenagem. Adubações anuais e regas regulares garantem uma floração abundante. As podas contribuem para uma forma mais compacta e arredondada, pois estimulam a ramificação e a renovação da ramagem, mas só devem ser feitas após a floração. Aprecia o clima frio. Multiplica-se por estaquia e por sementes.Link

Arbusto : Ochna Serrulata

Nos Estados Unidos é chamada popularmente de Mickey Mouse, por causa da cor vermelho vivo das sépalas florais que contrastam com os frutos pretos, lembrando o personagem de Walt Disney. Essas flores atraem borboletas e abelhas e os frutinhos são disputados pelos pássaros, que colaboram disseminando as mudinhas. Inicialmente seu crescimento é lento, mas acelera mais tarde, especialmente se as regas forem generosas. Apesar de suportar a sombra, onde alcança uma altura maior, é no sol que floresce com intensidade e as folhas com bordas serrilhadas brilham mais, destacando, na primavera, a brotação de tonalidade rosa-bronze.
Na costa Leste do sul da África, surge espontaneamente a partir do nível do mar até altitudes de quase 1 800 m. Há séculos os zulus, uma nação de antigos guerreiros que habitam o Sul do continente africano, usam as raízes da ócna para o tratamento de problemas ósseos, especialmente de crianças.
No paisagismo deve ser considerada como uma massa intermediaria entre os arbustos e as árvores, já que seu tamanho final é grande se a contemplamos como arbusto.
Confira a ficha completa na Biblioteca de Espécies.