Jardim vertical com poderes sobrenaturais de cura

Nós discutimos antes que os benefícios de plantas e  jardins verticais , como eles podem não só embelezar espaços interiores e exteriores, mas podem ajudar a diminuir o consumo de energia, fornecendo isolamento, melhorar a qualidade do ar interior , até mesmo fornecer um lugar para cultivar alimentos quando espaço é escasso.
Para a fachada da loja de design São Paulo, Firma Casa, os irmãos projetou uma parede verde comSansevieria trifasciata  (vulgarmente conhecida como planta de cobra), uma homenagem à cultura popular brasileira e uma planta usada em rituais religiosos Africano-brasileiras para a sua proteção sobrenatural e poderes de cura.
Forma segue a função definitivamente neste esquema design. Colaborando com São Paulo projetistas  estúdio SuperLimão , eles colocaram 9.000 mudas em 3.500 vasos de alumínio em forma de origami que pendem de uma malha de vergalhões, o fluxo de água dirigido a partir de um vaso para o outro através de um sistema integrado de drenagem que leva transbordar para o chão.
parede viva contrasta com elogios e também a fachada de aço forjado industrial. No interior, os fluxos de luz natural através de grandes aberturas do edifício, enquanto uma grade de trilhos expostos elétrica permite o controle de iluminação acessível e fácil.
Há infinita flexibilidade no projeto, como estruturas metálicas expostas e dutos de ar condicionado permitir que os donos de lojas para pendurar e mover-se facilmente exibição de obras usando ímãs industriais, enquanto pallet prateleiras suporta peças de tamanhos variados.
O primeiro empreendedor a descobrir e mostrar o Campana Brothers, proprietário da Firma Casa, Sonia Diniz Bernardini, valoriza a criatividade e inovação, acima de tudo e tem sido um pioneiro em reconhecer e introduzir talento emergente.
Fotos do estúdio SuperLimão . Gorjeta de chapéu para Yatzer e ArchDaily.
Anúncios

Canteiros, jardineiras e paredes verdes

Para aproveitar o quintal de todas as maneiras, sem abrir mão das plantas, a solução é explorar a área rente ao muro.

Texto Stéphanie Durante | Repórter de imagem Viviane Gonçalves | Fotos Edu Castello
 Edu Castello

O porcelanato Ecowood, da Portobello, reveste o piso. As trepadeiras lágrima-de-cristo (1), ipomeia-rubra (2), roseira-trepadeira (3) e falsa-vinha (4) revestem as paredes. Nas bordas do terreno, pedriscos drenam a água das jardineiras de aço, da Firgal, usadas no muro dos fundos, com gardênias (5), e no lateral, com hortelã (6), pimentas (7), capuchinha (8) e alecrim (9). À dir., o jardim vertical, composto por lanterna-chinesa (10), columeia (11) e samambaia (12), foi criado com módulos da GreenWall Ceramic. Almofadas, da Espaço Til. No banco, da Anni Verdi, toalhas, da Trousseau

Muros verdejantes 

A piscina ocupa quase todo o quintal desta casa no Morumbi, em São Paulo, mas a moradora fazia questão de ter muitas plantas. Para não atrapalhar a circulação, o paisagista Silvio Sanchez, da Grama e Flor, optou pela ocupação vertical. Os muros foram tomados por trepadeiras de crescimento rápido, tutoradas por mãos-francesas. “A falsa-vinha reveste toda a área e tem a função de unir as trepadeiras, formando o colchão verde no fundo”, explica Silvio. Na parede lateral, uma treliça de ferro organiza a coleção de orquídeas da moradora. Logo abaixo, nas jardineiras de aço, capuchinha, pimentas, alecrim e hortelã formam uma pequena horta. Próximo à entrada da sala, uma instalação com samambaia, lanterna-chinesa e columeia prolonga o jardim.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………
 Edu Castello

Vaso com primavera (8). Atrás, couve (9) e alface (10).
Mesa, lanternas e poltrona da Galeria Olindo. Gaiola,
da Dom Mascate. Vasinhos, da Anni Verdi. Almofada,
da Espaço Til. Ao lado, detalhe do espelho d’água
Horta elevada
A moradora desta casa geminada em Cotia, na Grande São Paulo, desejava ter uma horta, mas não queria perder muito espaço do quintal. Além da metragem reduzida, a presença dos cachorros era outro impedimento. “Propus uma horta elevada, com 75 cm de altura e 33 cm de profundidade. Assim, o espaço ficou livre para as crianças brincarem e as espécies ficam protegidas dos cachorros”, conta a paisagistaGisela Pedroso. A estrutura em forma de “U”, feita de alvenaria e revestida de cumaru, abriga alface, almeirão, couve, salsinha, alecrim, cebolinha, manjericão, boldo e hortelã. No fundo, um espelho d’água refresca o espaço, que foi coberto com vidro para ficar protegido das chuvas.
 Edu Castello

A horta elevada facilita o manuseio das hortaliças e as protege dos cachorros. No lado esq., boldo (1) e hortelã (2). Nos vasos, gardênias (3) e fênix (4). A estrutura de alvenaria é revestida de cumaru. As pastilhas do espelho d’água e o porcelanato do piso são da Soluzione. Na parede, aspargos (5). Logo abaixo, alecrim (6) e manjericão (7).
…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
 Edu Castello

A parede próxima à churrasqueira recebeu o jardim vertical
com peperômias (1) e samambaias (2). Na sequência,
jardineiras com falso-íris (3), jabuticabeira
(4) e grama-amendoim (5).

Jardim na lateral 
Por estar próximo à churrasqueira, o espaço lateral desta casa na Vila Mariana, em São Paulo, era bastante utilizado pelos moradores, mas faltava charme ao local. Para quebrar a linearidade da parede, a arquiteta paisagista Greice Peralta, em parceria com o Shopping Garden, criou uma sequência de jardineiras de alvenaria em diferentes alturas e profundidades que vão de encontro a uma pérgola. Nelas, a arquiteta plantou espécies tropicais, que resistem bem aos ventos e ao sol constante na área. Para dar privacidade, orquídeas-bambu foram plantadas na fachada. Na outra extremidade, Greice projetou um jardim vertical.
 Edu Castello

A pérgola com o jasmim-dos-poetas (6) e, em primeiro plano, à esq., helicônias (7) seguidas de xanadu (8), palmeira-fênix (9) e orquídeas-bambu (10). No vaso de barro, à dir., dasilirium (11). Almofadas, da Tamtum
………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………
 Edu Castello

Detalhe da forração de evólvulos-brancos (1) caindo
sobre o espelho d’água.

Escalada na cobertura

As arquitetas paisagistas Leslie Mardegan e Juliana Kallas, da K+M Arquitetura Paisagística, aproveitaram o formato irregular da cobertura no apartamento do Alto da Lapa, em São Paulo, e criaram um agrupamento de jardineiras de alvenaria, com 60 cm de altura. “Os moradores não queriam mexer na impermeabilização do piso. Como precisávamos de altura para plantar, optamos pelas jardineiras suspensas com acabamento em fulget , diz Leslie. Nelas se misturam espécies com flores brancas, como a moradora desejava. Ainda sobrou espaço para um espelho d’água no meio delas.

Fotos Edu Castello

Vaso de aço galvanizado da Firgal com forração de xanadus (2) e uma frondosa jabuticabeira (3). Nas jardineiras, agapantos (4) e nandinas (5). Bandeja, da SaLa Design. Outros objetos, da L’Oeil
……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..
Fotos Edu Castello

O acesso para o novo jardim tem escada e um
escorregador de cumaru para as crianças brincarem.
Nos degraus, pedras da Pedras Interlagos

Entrada renovada

O espaço junto à entrada desta casa no Itaim Bibi, em São Paulo, era praticamente inútil antes da intervenção das arquitetas paisagistas Heloísa Caparica e Fabíola Lieberg, da Cali Paisagismo. “Os moradores pediram ali uma extensão do living, mas também queriam a presença de plantas tropicais”, diz Heloísa. Para contemplar as duas solicitações, elas optaram por um piso de cimento queimado, com ladrilho hidráulico no centro e lajotas de barro nas bordas. Ao redor, criaram um canteiro em forma de “L”. De um lado, colocaram a estrutura de cruzetas com banco e vasos para duas dracenas. Do outro, ciclantos e bambus, com barba-de-serpente de forração.

Fotos Edu Castello

O canteiro em “L” possui bambus (1), ciclantos (2), barba-de-serpente (3) e termina na estrutura de cruzetas: um banco fica entre vasos com dracenas (4). Na parede, bromélias na treliça, da Ferro em Estilo. O ladrilho hidráulico e as lajotas de barro são da Euroville. Pufe colorido, da Tamtum. Futons e pufe cinza, da Futon Company

QUANDO O JARDIM É UMA PAIXÃO

“O segredo é não cuidar das borboletas… é  cuidar do jardim para que elas venham até você.” Mário Quintana


Já notaram que as pessoas que mexem com plantas têm um ar mais descansado e calmo?
Acredito que é o presente que a natureza nos dá ao se sentir cuidada e amada.
Agora me diga – você tem “dedos verdes”?

Via El Mueble Link

Jardim em Pequenos Espaços

Nem sempre temos uma área externa espaçosa. Porém, trazer o verde para o dia a dia transforma o ambiente, além de quebrar a rotina e torná-la mais bonita, saudável e prazerosa. Veja algumas ideias e possibilidades de compor jardins em pequenos espaços.

TERRAÇO CONVIDATIVO

A grade de segurança do terraço é uma ótima estrutura para apoiar vasos com plantas e flores. Neste exemplo, o modelo dos vasos harmonizou com a cadeira e a mesinha. A escolha de diferentes flores nas cores rosa, lilás e brancas ajudam a tornar o espaço convidativo e visualmente belo.

IDEIA CRIATIVA

Os jardins verticais estão ganhando cada vez mais adeptos no Brasil. Uma ideia simples e charmosa para isso é pregar pequenos cachepots na parede e decorar com plantas. Neste exemplo a escolha foi por caixas de correio com estilo rústico. Um toque delicado e criativo para a composição!

QUALIDADE DE VIDA

As plantas melhoram o ar do ambiente. Se falta espaço para decorar na área externa é possível colocar um vaso suspenso na janela e ornamentá-lo com diferentes arranjos de flores e plantas. Um vaso preto é discreto e dá destaque para o pequeno jardim que será cultivado. Com esta ideia você vai querer abrir todas as janelas!

HARMONIA EM CORES

Que tal levar uma dose de beleza e cores através das flores? Pendurar vasos no portão é uma ótima alternativa! Aqui cada vaso vem em uma cor com arranjos em diferentes tonalidades. As flores podem seguir o clima da estação levando uma proposta feminina e alegre para a composição!

Como cultivar MORANGOS

ALGUMAS DICAS PARA O PLANTIO DE MORANGOS EM UM PEQUENO QUINTAL OU ATÉ MESMO EM VASOS OU EM UM TUBO DE PVC.
Texto e fotos João Roberto Scudelari – Assis SP
   

Pode-se começar com apenas um morangueiro, plante no mês de março/abril/maio, quando for junho/julho/agosto já estará produzindo. Quando for dezembro ele começa a soltar as novas mudas, se tiver espaço deixe que elas enraízem sozinhas em volta da planta mãe, ou então, comece a plantar em copos de plástico com terra, sem cortar o cordão que os unem a planta mãe, isso favorece o enraizamento e o posterior transplante. Não se esqueça de furar o fundo dos copos plástico. Tendo feito isso, no mês de março ou abril, as novas mudas já estarão bem enraizadas e prontas para o replantio em local definitivo. Nos meses de janeiro/fevereiro/março enquanto as novas mudas estão lá enraizando nos copos plásticos e atreladas à planta mãe, deve-se preparar o local para o replantio, adubando bem a terra com adubo animal de curral curtido ou composto orgânico. Caso deixe que as novas mudas enraízem em volta da planta mãe, quando for replantar, retire-as com um pouco de terra para que não sinta tanto no replantio. Quando do replantio, deixe um espaço de aproximadamente 40 cm entre os morangueiros, regue diariamente, de preferência de manhã evitando molhar as folhas, se puder faça por gotejamento. No local onde está plantado o morangueiro, cubra a terra com raspa de serragem para manter a umidade e também para quando produzir, os morangos não fiquem em contato direto com a terra. Os morangos produzidos desta forma para consumo próprio são completamente biológicos, sem adubos e sem pesticidas. Para plantar os morangueiros, escolha um local onde apanhe bastante sol, uma vez que o morangueiro necessita de no mínimo 6 horas de calor direto por dia. O solo não pode ser seco nem muito úmido, deve–se regar com freqüência. Elimine as ervas daninhas, o morangueiro é inimigo de plantas invasoras, gosta de viver sozinho. Não regue suas folhas, molhe a terra onde ele está plantado.
 
                                                              Morangueiro produzindo mudas e com flores

Ao plantar, enterre apenas as raízes, deixando as folhas totalmente de fora, e as raízes devem ser enterradas retas em direção ao fundo, nunca dobre as raízes ao plantar. Depois que já tiver vários morangueiros, ao final da safra retire do canteiro, deixando apenas uns 4 ou 5 que serão os reprodutores de novas mudas, afinal não vai precisar de tantas mudas assim, considerando que um morangueiro produzirá cerca de 20 mudas, deixando 5 teremos aproximadamente 100, então se escolhe as melhores e replanta. Se estiver plantado em vaso, deixe que ele solte as mudas e quando perceber que estão começando a enraizar plante nos copos plásticos ou em outros vasos e deixe desenvolver.
Resumindo, se tiver um só morangueiro e cuidar dele, no próximo ano terá vários e assim por diante, podendo até fornecer para alguns amigos. Morangueiro necessita de cuidados diários, não os abandonem, regue com frequência, procure deixá-lo em local bem iluminado, prepare bem a terra com adubo animal de curral ou composto orgânico, retire sempre as folhas amarelada, enfim, cuide bem dele que terá frutos e novas mudas.

 
                                                                    Morangueiro nos vasos e em canteiros
     
   Morangueiro na embalagem de leite…               …em bolinhas de Gel…                            …em tubos PVC