Paisagismo na “Ilha Flutuante”

É difícil até mesmo dar um nome a esta estrutura única – é um barco ou uma ilha?
A ilha flutuante de luxo inclui seis quartos duplos, com espaço para 12 residentes e quatro funcionários. O barco está ao preço de £ 3 milhões.
Os fabricantes  descrevem a ilha como um “sistema autônomo ,fonte de alimentação baseada em energia” alimentado por um sistema de energia eólica silencioso. A ilha também possui mais de 120 m2 de painéis solares.Recuperação de calor a partir da água do mar é usada para aquecimento e ar condicionado.
A empresa explica: “No início, meu objetivo era criar uma rede hoteleira de alta qualidade exclusiva baseada em plataformas flutuantes. Com o andamento do projeto, tornou-se claro que o conceito atraente e incomum de Ilhas Orsos não devem ser limitados a apenas um grupo selecionado de pessoas “.
“Orsos Islands deve atingir um público muito mais amplo, as pessoas com uma consciência da vida moderna e um sentimento de responsabilidade para com o meio ambiente.”
A empresa austríaca começou a construção do protótipo na Alemanha e na Hungria. O objetivo da empresa é mostrar a estrutura para o público até o final de 2013.
Ver Mais Fotos:

Com formato de PALMEIRA, arranha-céu pode ser erguido sobre o oceano

Organizado desde 2006 pela revista norte-americana eVolo, o concurso Skyscraper Competition é referência entre os fãs da arquitetura de arranha-céus e, recentemente, revelou os ganhadores da edição de 2013.

Entre as menções honrosas, um dos destaques é o utópico edifício New Atlantis, uma verdadeira cidade vertical desenhada pelo arquiteto Adam Dayem.

Trata-se de uma proposta de habitação para os moradores da ilha I-Kiribati, no Pacífico Sul., que se recusaram a evacuar o local, apesar de seu território estar em processo de desaparecimento.

A proposta poderia ser erguida sobre o próprio oceano, com as fundações ancoradas a mais de 30 metros de profundidade no solo.

A volumetria do edifício-cidade assemelha-se a uma palmeira. O projeto prevê autossuficiência de usos e inclui, entre os diferentes usos, uma fazenda vertical, áreas de beneficiamento, lojas, hospital, escola, além de habitação e comércio.

Paisagismo na “praia”, no CANADÁ

Esta praia não foi feita para que as pessoas nadassem no lago, mas sim para servir como um local público de lazer, relaxamento e atividades sociais. Não é incrível ter um lugar assim no meio da cidade?