O jardim benéfico e terapêutico

O efeito que causa uma área verde vai além da percepção do belo. Proporciona bem-estar emocional, com resultados holísticos que consideram os elementos físicos, mentais e espirituais.

O Dr. Stephen R. Kellert diz em seu livro “Building for Life” (Edifício para a Vida) que a crise atual das mega metrópoles é originada pelas deficiências do traçado urbano. As cidades se transformaram em enormes áreas que consomem 40% dos recursos energéticos e 30% dos meios naturais do planeta, gerando 35% de poluição atmosférica e 25% do total do lixo sólido.

Segundo ele, que é Professor Emérito de Ecologia Social e de Estudos Ambientais das Florestas, da Universidade de Yale, as árvores são parte da solução graças às suas múltiplas funções como, por exemplo, a redução da temperatura quando plantadas junto aos prédios. Cada centígrado de redução diminui de 2 a 4% os gastos energéticos. Ele calcula que um edifício acoplado a um projeto paisagístico de qualidade pode economizar 20% da energia gasta em aparelhos de ar condicionado.

Mais ou menos na mesma linha, o Dr. Roger Ulrich, nas suas aulas de arquitetura na Universidade de Texas, ensina a seus alunos os benefícios sociais que se obtêm atraindo a população aos locais sombreados por árvores, já que estas mitigam o estresse.

Ele, que é psicólogo ambiental e professor de paisagismo, analisou pacientes depois de cirurgias, descobrindo que consumiam apenas 35% dos analgésicos administrados normalmente quando internados em apartamentos cujas janelas lhes propiciassem vistas com áreas ajardinadas. Ele também verificou que os detentos que cumpriam pena em celas com espaços verdes próximos eram menos estressados.

Alunos com problemas de atenção melhoram o desempenho quando as escolas possuem um entorno arborizado. Por causa destas pesquisas, os jardins terapêuticos são parte importante na arquitetura hospitalar.Raul Cânovas (Jardim das Ideias)