Acabar com as lesmas e caracóis


Deixo aqui uma listas de truque que fui lendo aí pela net. Espero que resultem:

  1. Melhor altura para as caçar é de noite. As lesmas têm hábitos nocturnos.
  2. «Como animal muito sensível à desidratação, a lesma pode morrer ao se jogar sal sobre ela. Tal fenómeno é devido à osmose, já que a concentração salina fora de seu corpo é muito maior. Popularmente isto é visto como um “derretimento”. » In. Wikipédia
  3. Com cerveja: cortar uma garrafa de litro de água ao meio, e enterrar de cabeça para baixo (com a tampa). Colocar a cerveja que as lesmas não conseguem resistir, misturada ou não com sal. Também se pode usar um prato raso, com um pano por cima. Em princípio, oas lesmas alojar-se-ão sob o tecido durante a noite. De manhã é só ir lá e matá-las.
  4. O mesmo que com a cerveja mas com leite: “Distribuir no chão, ao redor das plantas, estopa ou saco de amiagem molhado com água e um pouco de leite. De manhã, virar a estopa ou o saco utilizado e matar as lesmas que se reuniram embaixo”. In. Ambiente Brasil
  5. Isca de casca de batatas: Colocar o prato próximo às plantas infestadas, em pontos estratégicos. No dia seguinte matar as lesmas com sal de cozinha.
  6. Outro alimento que não conseguem resistir é a laranja. Por isso, pode-se colocar uma laranja aberta e esperar que elas a invadam para mandar sal para cima delas (mas em pouca quantidade, para não contaminar o solo de modo a ficar estéril)
  7. Também é mencionado o melão e a melania com atrativos de lesmas, especialmente para a catação manual.
  8. Esmagá-las com as luvas ou, preferencialmente com os pés. (único processo com 100% de eficácia.) – catacão manual ou prevenção cultural
  9. Colocar cascas de ovos esmagadas ou cascas de caracóis, conchas partidas ou cinzas nos vasos. Para além de adubar os vasos, as lesmas não gostam de deslizar sobre estas superfícies (será que lhes lembra um mini cemitério da sua família?).
  10. Outra barreira popular é a cal.
  11. As lemas detestam as seguintes plantas que podem agir com preventivo: calendula, cosmos, equinácea, papoila, e alfazema.
  12. Besouros e passarinhos são seus predadores naturais. As galinhas podem ser uma boa opção.
  13. “O “Jornal Horticolo-Agricola” de Outubro de 1904, citando o “Bulletin de la Société d’Horticulture de Genève”, sugere ainda mais uma técnica para tentar acabar com estas pragas. Um horticultor colocou à tarde a um canto da sua horta umas poucas de cenouras; de manhã cedo quando as ia buscar, verificou em volta delas, grande quantidade de lesmas e caracóis. Repetiu a experiência, espalhando pequenos montes de cenouras em vários pontos da horta. Calculou que no espaço de dois dias matava 460 caracóis e lesmas no espaço de um metro quadrado” In. Quinta do Sargaçal
  14. Evitar regar à noite, e as acumulações de àgua.


[398px-slugs_1896.jpg](mãos a terra)
Anúncios

A Joaninha

Ela é o bichinho mais querido dos jardinistas, que herdaram dos lusitanos a cantiga: “joaninha, voa, voa, que teu pai está em Lisboa”
Pois é, a Hippodamia convergens, como foi classificada pelos biólogos da área de zoologia é um auxiliar perfeito da jardinaria orgânica, sendo, em alguns casos, mais eficazes que os defensivos, como são chamados os venenos químicos que controlam pragas.

As joaninhas podem consumir cerca de cinquenta pulgões por dia. Quando faltam pulgões comem pólen e néctar e, até pétalas, ou qualquer parte tenra das plantas. As fêmeas põem mais de 300 ovos na primavera e no início do verão. Os ovos são pequenos e fusoides, geralmente colocados perto da presa, em lotes verticais, com quase trinta ovos. Assim que começam a alimentar-se, as larvas desenvolvem rapidamente alcançando, em um mês o tamanho adulto, ficando com suas cores definitivas, que podem ser vermelho ou amarelo com pontinhos pretos.

Uma forma de atraí-las é plantar: endro, gerânios, funcho, coreópsis, angélica, cosmos, tanaceto, cominho, dente-de-leão, coentro, mil-folhas e/ou cenoura. Foi comprovado que o pulgão (que pode ser preto, verde ou amarelo), quando ataca determinada espécie de planta, faz com que ela libere um sinal de alerta, emanando cheiros que atraem as joaninhas ou outros predadores. Então, esses insetos sugadores liberam seu próprio sinal de alerta e se dispersam, fugindo dos predadores.

O diretor da fazenda dos estudantes, na Universidade da Califórnia, Mark Van Horn, protege as plantações de tomate e de milho com renques de girassóis. Esta planta anual originária de América do Sul, com suas flores que alcançam um diâmetro de 30 cm, é a moradia perfeita para as joaninhas e vespas parasitas, que combatem os insetos que prejudicam a lavoura. Nos últimos 30 anos, a pesquisa sobre ecossistemas de agricultura orgânica, obteve algumas descobertas importantes, e refinou as técnicas usadas pelos produtores, que preferem alimentos saudáveis, livres de agrotóxicos.

ALGUMAS CRENDICES E LENDAS POPULARES SOBRE A JOANINHA

Nunca mate uma joaninha, isto pode trazer azar e tristeza. Na Bélgica acreditam que, se uma joaninha andar pela mão de uma moça, ela irá casar logo.
Também, naquele país, dizem que os pontinhos que a joaninha tem nas costas, sinalam o número de filhos que essa jovem irá ter.
Certos médicos, no século 19, acreditavam que as joaninhas tinham o poder de curar sarampo e alguns dentistas usavam joaninhas esmagadas nas cáries, para aliviar a dor.
Na Noruega dizem que, se uma moça e um jovem olharem ao mesmo tempo para uma joaninha, haverá romance, na certa.
> Converse com elas, segundo os chineses, elas entendem a fala humana, porque foram abençoadas por Deus.
Se uma joaninha pousa na sua mão, segundo acreditavam os ingleses, na Era Vitoriana, você ganhará um par de luvas; mas, se pousar na cabeça, ganhará um novo chapéu.
Preste atenção na hora de combater pragas no seu jardim; os métodos mecânicos, como: armadilhas, catação manual, barreiras e boa drenagem, entre outros, são inofensivos, assim com a escarificação, a calagem e a adubação correta. Entretanto o controle biológico é sempre o mais natural e o menos invasivo. Por isso, cuide das joaninhas!