Espécies Esculturais no Paisagismo

Chamam-se de espécies esculturais, aquelas que possuem um formato peculiar, um porte majestoso ou algumas características que fazem delas o destaque no jardim. O uso destas plantas segue a moda, que varia a cada tempo e que muitas vezes resgata algumas espécies que estavam esquecidas.
Pandanus utilis

É necessário muito cuidado na utilização destas plantas e só o fato de se ter uma delas no jardim, não quer dizer que o bom gosto e a harmonia do projeto estão garantidos.

Estas plantas normalmente têm um custo elevado e muitas vezes as floriculturas as colocam em seus orçamentos, pois assim estarão aumentando o seu lucro e o cliente, que desconhece tanto a planta como os princípios da composição, acaba acreditando que terão um jardim especial, apenas porque estão comprando uma planta cara e que está na moda.

Em outras situações vê-se um amontoado de espécies esculturais num jardim onde caberia apenas uma delas. Tem-se então a impressão que as plantas terão que entrar num acordo entre elas para ver de quem será a vez de se destacar no jardim, já que ao se olhar para o jardim todas estarão chamando a atenção ao mesmo tempo.

Para se utilizar de forma sensata essas plantas, deve-se primeiramente observar o tamanho do jardim e também qual será o tamanho que a espécie atinge quando adulta. Outra dica é utilizar apenas uma destas plantas esculturais por ambiente, pois se ela é utilizada para dar destaque, então que ela seja a única a se destacar.

Imprescindível também conhecer a espécie, suas necessidades de iluminação e se esta de acordo com o clima do local, pois caso contrário ela não irá se desenvolver plenamente, ou até pode acabar morrendo, o que causará um grande prejuízo.

Phoenix canariensis
Entre as espécies consideradas esculturais, temos algumas palmeiras como a Phoenix canariensis, uma das plantas mais caras existentes no mercado, a Bismarckia nobilis, conhecida como palmeira azul e a Wodyetia bifurcata, conhecida popularmente como rabo de raposa.
Bismarckia nobilis
Baucarnea recurvata, ou pata de elefante, é uma espécie de crescimento lento e por este motivo é também bastante cara. Já oPandanus utilis não deve ser utilizado em locais de clima frio, pois é muito sensível às geadas e ventos frios.
Baucarnea recurvata
Dracaena drago
Algumas espécies do gêneroYucca (a rígida e a rostrata) e aDracaena drago são também muito esculturais, mas só devem ser utilizadas em locais de clima quente.

Zamia pumila
Zamia pumila é outra espécie escultural muito interessante, mas que também só pode ser utilizada em climas quentes.

Dasylirium acrotriche
Dasylirion acrotriche é uma espécie que tem muito pouco tempo de uso nos jardins e como é muito rústica, pode ser utilizado tanto em clima quente como em climas frios. Um cuidado ao utilizá-los é ter uma forração que proporcione um contraste com suas finas folhas, que praticamente desaparecem quando plantado sobre a grama.

Lembrar que o bom senso é sempre um ótimo aliado quando se pretende definir proporções entre quantidades e portes das plantas em relação ao tamanho do jardim.http://heloizarodrigues.blogspot.com/
Anúncios

2 comentários sobre “Espécies Esculturais no Paisagismo

    • Olá Heloiza!
      Gostamos do seu post e do seu blog e ,por isso,decidimos postar também no Paisagismo.Se você reparar,no final da postagem ,colocamos os devidos créditos.
      Agradecemos sua atenção.
      Denise Ramalho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s